CAFÉ EXPRESSO

Junho 07 2008

 

A baixa auto-estima é uma tragédia que afecta imensa gente. A busca de afecto é incessante. O lema é "gostem de mim, por favor!". Todos. Se alguém não gostar é o caos. Mesmo que esse alguém seja ninguém especial. Daí vem o medo da rejeição. Assim, medo e necessidade são os sentimentos dominantes que enredam o individuo numa malha de solidão. De afastamento das pessoas e do mundo.

 

Lembrei-me, há uns dias, que se podem resolver os problemas de baixa auto-estima através da acção. Pequenas acções. Grandes esforços, é certo. Mas agir. Agir. Agir. Fazer. Fazer. Fazer. Esquecer o eu. Meter a cara (como os brasileiros têm expressões que dão tanto jeito ao expressar!). Esquecer o eu. Mesmo que o ego doa.  A alma ameace esfumar-se. Cair abaixo do abismo do optimismo. Mesmo com o evidente medo. Abrir o peito. Jogar tudo. Jogar o medo. A morrer de medo. E agir. Agir. Mesmo com medo. E afogar o medo. A morrer de medo. Mas agir virado, concentrado no mundo. Nas outras pessoas. Fazer um esforço pelos outros. Esquecer o eu. Agir. Não esperar. Esperar apenas o reflexo dos actos.

 

Pois a ideia é essa: o resultado do reflexo dos actos próprios. Se é verdade que a necessidade é do afecto dos outros, mais certo é ainda que falta muito afecto próprio. Se é correcto que se sente muito a falta de aceitação por terceiros, o maior drama é a aceitação pessoal pelo próprio. É por isso que eu digo que o segredo está no agir. Os actos, ao contrário dos pensamentos, produzem os seus efeitos no mundo exterior. Os pensamentos são invisíveis. Ao contrário, o resultado dos actos é apreensível como o que se vê a partir do reflexo de um espelho. O indivíduo tem de agir para ser ver a partir de fora. Ver as coisas apreciáveis que é capaz de concretizar através de um reflexo de fora para dentro. O ser actua no mundo. O mundo reflecte o acto que apenas deste modo é visível para o próprio. A auto consideração sobe, assim, gradativamente com o agir. O maior obstáculo à vida de quem não tem amor próprio é o vício de ver sempre tudo de dentro para fora, quando o ponto de vista correcto é aquele cujo percurso ocorre de fora para dentro. É preciso perceber, repito, que o individuo luta pela aceitação e estima de si por si mesmo.

 

 A propósito de tudo isto lembrei-me também do tema "quando uma relação acaba". Quando uma relação acaba, na maioria dos casos há sempre alguém que fica mais magoado. É aquele que não queria que a relação acabasse. Quando uma relação acaba porque um deixou de gostar primeiro do que o outro, este fica pior do que o primeiro. Quando uma relação acaba, acabam-se as rotinas viciantes, os hábitos agradáveis, as habitualidades desagradáveis e tudo o que demais compõe uma realidade conjuntural. O fim de tudo isto representa uma mudança. Quem não tomou a decisão não está preparado para a mudança. Daí a aflição. Mas pior é a rejeição. Que não é exactamente uma rejeição, mas é vista assim. Quem é deixado sente-se afectado em toda a sua pessoa. Como se prestasse pouco. Como se valesse menos enquanto pessoa. O que é totalmente falso. O amor romântico ou a paixão não têm essa capacidade de fazer. De desfazer uma pessoa. O amor romântico ou a paixão terminam por razões que pouco têm a ver com a qualidade de cada um dos indivíduos.

 

publicado por Cat2007 às 23:50
 O que é? |  O que é? | favorito
Tags:

Eu, com certeza, teria muito a falar sobre esse tema. However, minha cabeça tem estado em constante "fluxo da consciência" e me sinto totalmente incapaz de dar direção a meu pensamento long enough pra falar o que quero. Direi uma coisa só: O medo é uma merda. Paralizante. Mas não adianta. Não nasci para ousadia ou pra ser um personagem Shakespereano. Vou vivendo meus conflitos internos com a "grandeza" de alguém (ou um ninguém?) em uma peça de Tchekov, que eu, à proposito, acho bem chatinho.
lee a 8 de Junho de 2008 às 03:53

Que pena essa semi-paralizia mental. Logo neste assunto que é a tua cara!!!!!!!!!
Cat2007 a 8 de Junho de 2008 às 12:24

Prometo voltar a ele tão logo consiga ordenar meus pensamentos, ok? Eu sei que esse tópico tem a minha cara. Infelizmente. ;=P
lee a 8 de Junho de 2008 às 16:27

Vou ficar à espera. E já agora... então e aquele convite de escrever aqui? Também vou ficar à espera.
Cat2007 a 9 de Junho de 2008 às 16:52

Algumas pessoas com baixa auto-estima têm anorexia da alma. Isso faz com que elas se vejam de forma distorcida e diferente da forma como as pessoas a sua volta as vêem. Outros não. Outros se vêem além (ou aquém) do que mostram aos outros e justamente por serem conscientes do que representam em seu meio, evitam se expor e por conseguinte, evitam à rejeição. Embora a maioria associe a baixa auto-estima à aparecência física, o pior tipo de sentimento de inferioridade é considerar-se inferior moral e espiritualmente. Para esses a velhice e a morte não colocam as coisas nos devidos lugares. E eles sabem que a longa espera à decreptude é no fim das contas muito breve, e não termina alí. Não posso divagar sobre o amor. Creio que tendo, como quase todos, a pensar que alguem com baixa auto-estima não ame com entrega com medo de logo perder, mas pode ocorrer justamente o contrário. Na impossibilidade de amar a si mesmo, poderíamos amar ao outro e negociar o sentimento de posse com filosofias ilusórias de um amor maior, desapegado, ainda que saibamos que o desapego é apenas uma estratégia para superar a perda.
Sorry. Achei que estava preparada pra dissertar melhor mas ainda não consigo organizar-me de modo a traduzir verbalmente o que penso/sinto, que não difere tanto assim. Emotividade racional. Já tem algum livro de auto-ajuda sobre o tema?
lee a 24 de Junho de 2008 às 13:40

Anorexia da alma, hem? Gostei da sintese, embora o anorético se veja sempre maior do que é, enquanto o auto-mal-amado se veja, em regra, pior do que é. Isto claro se não pensarmos no narcisico. Por isso a síntese, ou melhor, a imagemque usaste é óptima.

Creio que o sentimento de inferioridade tem, em qualquer caso, a sua génese no contexto emocional, por isso não consigo concluir como tu.

Sobre o amor, estás errada! LOL! Beijo
Cat2007 a 25 de Junho de 2008 às 19:26

"A minha frase favorita é a minha quando me sai bem"
pesquisar
 
stats
What I Am
comentários recentes
Já tinha saudades de ler o seu blogue.
Ok. Obrigada, querida.
Tu também!Envio te o número por FCP para o caso de...
Muito obrigada, Bruno.
Gostei do post.Não os lia faz algum tempo, já tinh...
Também estás na terapia. Ainda bem. Mas podemos se...
Ora, são as agressões.
Posts mais comentados
140 comentários
122 comentários
122 comentários
106 comentários
82 comentários
arquivos
2017:

 J F M A M J J A S O N D


2016:

 J F M A M J J A S O N D


2015:

 J F M A M J J A S O N D


2014:

 J F M A M J J A S O N D


2013:

 J F M A M J J A S O N D


2012:

 J F M A M J J A S O N D


2011:

 J F M A M J J A S O N D


2010:

 J F M A M J J A S O N D


2009:

 J F M A M J J A S O N D


2008:

 J F M A M J J A S O N D


2007:

 J F M A M J J A S O N D


Junho 2008
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6
7

8
9
10
11
12
13
14

15
16
17
18
19
20
21

22
23
25
26
27
28

29
30


blogs SAPO