CAFÉ EXPRESSO

Dezembro 20 2010

 

 

Sobre brinquedos. É importante para as crianças receber brinquedos?

 

A memória infantil tem um ponto de inicio. Antes disso, qualquer coisa das coisas que se passam não afecta conscientemente a pessoa pequena. Claro que as implicações interiores de factos marcantes são registadas e guardadas no cérebro. Tudo fica guardado no plano do inconsciente, pelo que é impossível lembrar. Então quando foi o momento em que recebemos o nosso primeiro brinquedo?

 

Não, antes disso, o que é o primeiro brinquedo ou, melhor ainda, o que é um brinquedo. Dependendo da idade a resposta pode ser diferente. Lembro-me de ver bebés ainda na fase do berço a estranharem vigorosamente rocas e peluches muito lindos comprados nas boas lojas da especialidade. Mostrar indiferença também é um modo de estranhar vigorosamente, esclareço. Vi-os muito mais interessados, logo distraídos, com objectos de uso particular da vida dos adultos. Chinelos grandes. Tampas de tachos. Livros só com letras. E nem me lembro mais do quê. Creio que eram brinquedos para eles. Notei ainda que, passada tal fase, o interesse continuava a ser maior nas outras coisas em deferimento dos brinquedos. Concluo assim que os instrumentos de uso normal na vida são brinquedos infantis na concepção e nos gostos das crianças muito pequenas.

 

O conceito de brinquedo é imprimido no espírito das pequenas pessoas a partir do exterior. "Toma querido, isto é para ti. Para tu brincares. Não, não. A Ficha tripla não (fora da ficha). O telemóvel não. As meias do pai não". Insiste-se nisto. Até que as crianças percebem o que é um brinquedo.

 

Depois, no colégio, em interacção afectiva-afirmativa primária comparam os seus brinquedos com os das outras crianças. Acabam por querer mais brinquedos. Maior diversidade também. Ainda mais sofisticados. E em retrospectiva são capazes de se lembrar de qual foi o seu primeiro brinquedo. Que retroactivamente assume a importância do primeiro amor. Assim a professora ou algum adulto lhes pergunte qual foi. A pergunta tem em si esta carga. A criança percebe logo. Talvez nunca mais esqueça qual foi o seu primeiro brinquedo da idade pós-amnésica. Eventualmente, vai buscá-lo ao sítio onde a mãe o guardou, se foi o caso, e leva-o para os seus domínios infantis. Tenho amigas que hoje ainda são capazes de exibir a sua primeira boneca. Tudo depende da mãe a ter guardado no momento certo e até ao momento certo.

 

Concluo que os brinquedos, no sentido clássico do conceito, são uma ficção. As psp portáteis e os nintendos não são brinquedos. A prova está no delírio dos adultos quando se metem a jogar com aquilo. Não há-de ser porque são uns infantilóides. Um brinquedo é um objecto  cujas características permitem às crianças momentos de abstracção feliz em face do real. E também aos adultos. Portanto, toda a gente precisa de brinquedos.

 

Por fim, não, não me lembro do meu primeiro brinquedo. E creio que isto é muito natural em face das circunstâncias pessoais do meu momento de vida infantil.

 

publicado por Cat2007 às 15:10
 O que é? |  O que é? | favorito
Tags:


dizer "psp portátil" é como dizer "mensagem sms". PlayStation Portable. Fico tão contente por não me considerar infantilóide. :)
Alex a 20 de Dezembro de 2010 às 16:30

Eu sei. Mas é mesmo assim que eu quero. De qualquer forma obrigada. :)
Cat2007 a 20 de Dezembro de 2010 às 16:35

não me tinha detido ainda em maria callas sound. é realmente gigantesco. não foi fácil ler um post sobre brinquedos e ao mesmo tempo ir lendo a lyric de la mamma morta, algo arrepiante até. o primeiro brinquedo a chegar ao mesmo tempo que a mamã é morta enquanto salva a criança. é um efeito atroz de blogger.
não me lembro do meu primeiro brinquedo, só de uma sensação de levar uma coisa muito importante para a escola e de ma rasgarem.uma bandeira de portugal em papel que arranjei numa marcha do 25 de Abril na av da liberdade. dei uma importância desmesurada àquilo que no dia seguinte foi rasgado no recreio da escola. não voltei a levar brinquedos para a escola.
por fim, preparo-me para seguir para o Toy´s R us, desta vez para comprar Legos para crianças de 12 anos, do tipo "larga a nintendo e constrói um hospital faxavor". isto é fundamental para que a criança largue a nintendo e o adulto possa finalemente jogar com ele em vez de atirá-lo pela janela.
Vanda a 20 de Dezembro de 2010 às 17:02

Vanda. Comovida. É a palvra-chave. para si.
Cat2007 a 20 de Dezembro de 2010 às 17:05

A minha primeira vez foram “As Bodas de Fígaro” tinha 24, ele 21, apaixonei-me, por ele e pela Ópera... Da primeira coisa que me lembro, para mim não era um brinquedo, era uma utilidade. Eu quis um irmão um dia. Não sabia pedir, dizia “bébé”. Afinal para ter um irmão ele tinha que vir bébé, a minha ideia estava certa. Comecei a andar muito cedo e a falar estupidamente tarde, apontava para tudo o que queria, sem som mas com muita expressão. Percebiam. A minha tia foi de viagem ao país vizinho e para além dos caramelos trouxe-me um “careca” enorme, em proporção era enorme. Não sei explicar a felicidade pelo brinquedo e a desilusão pelo irmão, era aquilo mas não era aquilo. Ser filha única é ter a noção de que nunca ninguém nos vai defender incondicionalmente porque não veio de onde viémos. Aquilo não me ía defender, eu sabia. Mas tive-lhe um carinho enorme e passei a arrastá-lo para todo o lado comigo, arrastar é mesmo o termo. Ele pesava-me mas queria-o sempre comigo, a maioria das vezes levava-o nos primeiros minutos e depois pedia que mo levassem, eu ía pela mão e ele ía ao colo de quem me levava pela mão, e eu nem me importava. Ser filha única também é isto, achar que se existirem dois candidatos a colo, o colo é nosso. O não me importar faz parte do processo de ser boa pessoa. Chegou o Natal, lembro-me de não ter presentes debaixo da árvore até mesmo à última, diziam-me que não me tinha portado bem. Andei séria durante uns dias. E finalmente na véspera de abrir os presentes eles apareceram. Continuei séria e sentida, pela mentira. Fui apalpar, houve um que me fez ilusão até ao momento de rasgar o papel, sentia tubos e pauzinhos. Bem, era um carro de bébé, para o mano que não era mano, o problema é que o carro era enorme como o mano e tinha que me esticar toda, braços esticados até às pegas do carro, e depois empurrar? Sendo que não via nada para a frente. Pois, pois. Os meus adultos sempre foram assim de ideias giras. Lembro-me das manhãs a caminho do infantário, a mãe toda curvada a empurrar o carrinho com o mano falso e eu de lado com a mão no tubo do carro a ajudar. A sra do infantário era sempre a mesma recepção, “então trouxeste o teu bébé?” eu abanava a cabeça, “pois não, foi a mãe.”, eu continuava a abanar a cabeça, este diálogo matinal repetiu-se vezessem conta até um dia lhe berrar “o nano!”. Às vezes ainda tenho esta sensação, de ser tudo grande para mim.

Alex a 20 de Dezembro de 2010 às 19:07

Tocante.
Eu queria um cão para brinquedo. Mas isso é porque tinha irmãos.
Cat2007 a 21 de Dezembro de 2010 às 14:08

Pois não podia concordar mais...também não me lembro do meu primeiro brinquedo e nem sequer do primeiro brinquedo do meu filho, que seria de esperar por ser uma memoria muito mais recente! Contudo nao me importo nada e acho normalissimo e se quer saber até saúdavel...Tenho ainda a dizer apenas viva os brinquedos que servem para o que servem divertimento e abstração!!!Beijo
free_soul a 20 de Dezembro de 2010 às 23:54

Não se lembra do primeiro brinquedo do seu filho. Olhe, parabéns. Mãe sáudável. ;)
Cat2007 a 21 de Dezembro de 2010 às 14:11

Eu lembro-me de uma coelhinha que passou a ser a Lhinha. Sou uma mãe doentia? e agora?
Vanda a 21 de Dezembro de 2010 às 17:11

Uma mãe que reconhece uma coisa destas publicamente já está tratada. Valha-nos isso.
Cat2007 a 22 de Dezembro de 2010 às 01:13

"A minha frase favorita é a minha quando me sai bem"
pesquisar
 
stats
What I Am
comentários recentes
Também não acredito nisso...se é que alguma vez ac...
Com muita calma e paciência tudo se começa! 
Mas a questão é que, antes de se preocuparem com o...
yah, a quantidade de construções emocionais que nã...
Sabia que fazia anos, tinham me dito, mas no meio ...
há "sinais" que não devemos negar :D
Posts mais comentados
140 comentários
122 comentários
122 comentários
106 comentários
82 comentários
arquivos
2017:

 J F M A M J J A S O N D


2016:

 J F M A M J J A S O N D


2015:

 J F M A M J J A S O N D


2014:

 J F M A M J J A S O N D


2013:

 J F M A M J J A S O N D


2012:

 J F M A M J J A S O N D


2011:

 J F M A M J J A S O N D


2010:

 J F M A M J J A S O N D


2009:

 J F M A M J J A S O N D


2008:

 J F M A M J J A S O N D


2007:

 J F M A M J J A S O N D


Dezembro 2010
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4

5
6
7
8
9
10
11

12
13
16
18

19
21
23

26
28
31


blogs SAPO