CAFÉ EXPRESSO

Dezembro 22 2010

 

Viver sem roupa, dentro de certas circunstâncias e determinados contextos e condicionalismos, ajuda à melhoria da nossa saúde física e mental. Porque esta melhoria está directamente relacionada com a plena integração das pessoas na natureza. Estar nu é estar integrado na natureza. Estar integrado na natureza faz bem à saúde física e mental.

 

 

É verdade. Veja-se o que está estabelecido na Lei n.º 53/2010, de 20 de Dezembro, que define o regime da prática do naturismo e da criação de espaços de naturismo. “Entende-se por naturismo… o conjunto das práticas de vida em que é utilizado o nudismo como forma de desenvolvimento da saúde física e mental dos cidadãos, através da sua plena integração na natureza”.

 

Como as exigências da vida em sociedade não permitem que se exercitem práticas saudáveis assim em qualquer lugar que apeteça, e apesar do valor da saúde em si, a lei tem de definir onde se pode andar nu em público. Podemos, portanto, andar totalmente despidos designadamente em “praias, piscinas, recintos de diversão aquática, spa, ginásios, empreendimentos turísticos, estabelecimentos de restauração ou de bebidas e demais espaços, que cumpram as disposições previstas na presente lei”. Já vou dizer que disposições são estas, mas para já…

 

Para além das praias, são também “lugares naturistas”, entre outros, as piscinas, os recintos de diversão aquática, os spa, os ginásios, os empreendimentos turísticos e os estabelecimentos de restauração ou de bebidas. Não sabia. Bem, sobre as piscinas já tinha lido qualquer coisa em tempos. Quanto aos demais places… hum… verifico que existem muitas coisas que eu não sei.

 

Apesar da falta de cultura geral evidenciada, informo, ainda assim, que não sei o que dizer. Por causa da apreensão. É que só me ocorrem argumentos de ordem prática ligados a questões de higiene, por exemplo. Igualmente, penso nos empregados dos spa e dos restaurantes. Também estão nus? E os instrutores de fitness nos ginásios? Por acaso, no caso dos ginásios, é obrigatório levar ténis? Pergunto por causa dos pesos livres. Podem cair em cima de uma unha do pé. Também há o problema de correr na passadeira. Tudo descalço? Bom, talvez se trate aqui de ginásios adaptados. Mas não acredito. Mesmo assim, o ridículo de estar nu com a toalha de treino ao ombro jamais poderá ser contornado. Embora a lei também não tenha esta função. A de acautelar o ridículo.

 

Bom, e sobre a promiscuidade sexual? Sabemos que aumenta as suas possibilidades na proporção inversa em que a dimensão física dos espaços onde se encontram várias pessoas nuas diminui. Não tenho nada a ver com isso. Estava só a dar nota para quem tenha interesse.

 

Por outro lado, não entendo como é que, por exemplo, ir vestido comer a um restaurante não é “uma forma de desenvolvimento da saúde física e mental dos cidadãos, através da sua plena integração na natureza”, se comer um peixinho gralhado sem roupa já é.

 

Trata-se apenas de um desafio lógico que aqui deixo. Nada mais. No mais, não sei para que se continuam a tecer considerações valorativas desnecessárias nos diplomas. Assim como quem quer justificar o que não percebe. Acontece imenso e irrita e cansa. Em primeiro lugar, se vem uma lei regular as coisas assim é porque as coisas já se passam de facto assim. Ponto. Não compreendo porque é tão difícil aceitar factos. Crus. Nus. E regular.

 

A nova lei diz ainda que as praias devem oferecer, “pelas suas condições naturais, a possibilidade de eficiente sinalização” e “estar a “distância suficiente, em regra não inferior a 750 m do mais próximo aglomerado urbano, estabelecimento de ensino, colónia de férias, convento ou santuário em que, ainda que de forma intermitente, seja celebrado culto religioso, exceptuando-se os casos em que a existência de barreiras visuais permite salvaguardar a privacidade destes espaços”. Já os empreendimentos turísticos, estabelecimentos de restauração ou de bebidas, piscinas, recintos de diversão aquática, spa e ginásios autorizados para a prática de naturismo”, devem estar “devidamente sinalizados nos respectivos acessos, através de afixação de indicação, escrita ou figurativa, de espaço de naturismo”. Conclui-se, assim, que certas formas de promoção da saúde das pessoas, como é o caso do nudismo, chocam a sensibilidade dos  cidadãos em geral e muito em especial a de alunos, professores, pessoal auxiliar da educação, membros do clero e crentes.

 

A lei não prevê regras especiais sobre a higiene e a segurança. Portanto, as questões atrás levantadas sobre fitness e restauração ficam sem resposta. Parece-me que a sinalização dos espaços é que é o traço mais importante de todo o diploma. O objecto essencial da regulação. Não sei. De resto, informo que a cena é muito turística. E se é turística tem a ver com o mar. Portugal e o mar. O Atlântico. Já por isso me lembrei do vídeo lá de cima.

 

publicado por Cat2007 às 16:09
 O que é? |  O que é? | favorito
Tags:

Assim de repente surgem ganas de que exista legislação para acautelar o ridículo assim os legisladores não se andem a passear nús pela lei com vista a uma maior proximidade com a natureza. Esta febre de estar integrado na natureza e ser de natura, como o humburger simples do McDonalds, acaba invariavelmente por criar novissimas patologias...naturais, entenda-se.
Repare-se, um tipo e uma tipa conversam numa praia à beira-mar sobre a globalização, o madoff e a metafísica das alterações climáticas. Estão com uma cara séria e estão nús. Há credibilidade nesta conversa? e mesmo sendo na praia e passando-se este diálogo entre corpos esculturais, estou convicta de que o assunto perde a pertinência ainda que ganhe outras coisas. Não tenho grande forma de contrariar os naturistas porque não interessa o que penso...mas é ridículo...e a questão dos ténis do ginásio? Era bom que o legislador respondesse a isto...ou um comentador aqui do blog sei lá, ridículo.
Mas em havendo legislação, tá legal ficando por responder às tais questões de higiéne.
Agradeço só que não me perguntem as horas com a pilinha de fora, por exemplo, é patético independentemente da extrema importância das pilinhas.
Vanda a 23 de Dezembro de 2010 às 12:15

"Assim os legisladores não se andem a passear nús pela lei com vista a uma maior proximidade com a natureza". ???? gargalhada de Natal.
Epah, pronto! Não há como discordar de jornalistas versados em matérias africanas. Moi também não podia ser mais careta. Acho isto de andar por ai sem clothes do mais ridículo que há. 
Cat2007 a 24 de Dezembro de 2010 às 17:51

"A minha frase favorita é a minha quando me sai bem"
pesquisar
 
stats
What I Am
comentários recentes
achei graça foi associares a tua infidelidade ao t...
Já tinha saudades de ler o seu blogue.
Ok. Obrigada, querida.
Tu também!Envio te o número por FCP para o caso de...
Muito obrigada, Bruno.
Gostei do post.Não os lia faz algum tempo, já tinh...
Também estás na terapia. Ainda bem. Mas podemos se...
Posts mais comentados
140 comentários
122 comentários
122 comentários
106 comentários
82 comentários
arquivos
2017:

 J F M A M J J A S O N D


2016:

 J F M A M J J A S O N D


2015:

 J F M A M J J A S O N D


2014:

 J F M A M J J A S O N D


2013:

 J F M A M J J A S O N D


2012:

 J F M A M J J A S O N D


2011:

 J F M A M J J A S O N D


2010:

 J F M A M J J A S O N D


2009:

 J F M A M J J A S O N D


2008:

 J F M A M J J A S O N D


2007:

 J F M A M J J A S O N D


Dezembro 2010
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4

5
6
7
8
9
10
11

12
13
16
18

19
21
23

26
28
31


blogs SAPO