CAFÉ EXPRESSO

Junho 04 2007

 

Uma pessoa insegura como eu necessita de referências.  As pessoas inseguras como eu pertencem a um determinado tipo de inseguros. Imaginemos uma estrada. A vida como um caminho a percorrer, desde o mistério do nascimento até ao mistério da morte. Da primeira à ultima grande incógnita há um caminho que as liga. Uma caminhada a fazer. O meu caminho é uma estrada larga e alcatroada. Toca-me em sorte o melhor desenho de engenharia, os melhores materiais, os melhores executores. Uma estrada longa, larga e perfeita por onde, à primeira vista, se pode iniciar um percurso seguro e rápido. E prosseguir cheios de espontaneidade.

 

Sentimos que o primeiro engenheiro de todas as estradas para todas as vidas é Deus. A Ele não se juntam os engenheiros de cá, embora intervenham, também, no processo. Porque tem de ser assim.

 

A minha estrada foi concebida  larga, alcatroada, recta e e bem sinalizada. Como disse, um caminho seguro para andar depressa, à primeira vista. No entanto, por falta de tempo e de verba, como é costume humano, em muitos lados do seu troço havia cortes. Falta de alcatrão com pequenas e grandes pedras por retirar, lamas das chuvas e crateras. De entre estas últimas, umas são estreitas, contornáveis por salto, outras tão largas como o leito de um rio normal. Perante estas, era preciso repensar tudo. O que fazer para continuar, se parar é morrer, e isto é verdade?

 

Fugir constitui a primeira opção fornecida pelo instinto de sobrevivência. Voltar o caminho todo atrás em direcção ao útero. Mesmo sabendo que o regresso ao princípio é deitar o tempo fora. Pior, é correr por um caminho cujo destino há muito que foi fechado e não nos disseram nada. Agora existe outra coisas. O mundo do medo provocado pela ilusão delirante. Nenhuma alma infantil vive dentro de um corpo demasiado grande, ao lado de um espírito atormentado de fraqueza.

 

É preciso ultrapassar as monumentais crateras. É necessário mudar hábitos e expectativas. É imperioso aprender, estudar o obstáculo, desenvolver novos processos para a acção. Pode ser que consigamos construir uma ponte. Pode ser que possamos voltar uns quilómetros para trás e recolher algumas pedras que contornámos sem saber da falta que nos fariam depois.  Pode ser que tenhamos que ir às beiras da estrada recolher terra com as nossas próprias mãos (se outros instrumentos não houverem) para encher o imenso buraco.

 

A minha estrada é destas. Linda, perfeita. Não fossem algumas incompetências humanas, alguns azares límbicos, alguma verba que faltou. É este o meu género de pessoa insegura. Cheia de seguranças e firmezas, Impossibilitada de dar passos certos em frente em específicos passos da vida. De momento, estou perto do fim da minha última grande cratera. Ainda faltam alguns metros. Muitos, na verdade. Contudo, nada que se compare às centenas que já tapei. Tenho as mãos sujas de terra. Os dedos descarnados. Os nervos retesados. As unhas sumidas. Depois mando arranjar isto tudo. Num cirurgião plástico.

publicado por Cat2007 às 12:47
 O que é? |  O que é? | favorito
Tags:

Muito bom.
Raquel a 11 de Agosto de 2010 às 00:47

Thanks, babes :)
Cat2007 a 11 de Agosto de 2010 às 09:35

O conceito de liberdade para o ser humano é bastante peculiar, visto que cada um imagina para si uma situação diferente quando se menciona esta palavra. Muitas pessoas consideram que ser livre é, por exemplo, ficar milionário e poder escapar para sempre da escravidão do trabalho.

Outros sonham com a possibilidade de sair de um relacionamento sufocante, onde pouco espaço lhes sobra para expressar sua verdadeira natureza. Alguns desejariam ser livres do controle dos pais e levar uma vida sem qualquer forma de limites. Para os prisioneiros, livrar-se do encarceramento é a única expressão da palavra liberdade verdadeiramente real.

Entretanto, o mais profundo conceito de liberdade é aquele que diz respeito à liberdade de ser. Para se tornar verdadeiramente livre, o ser humano precisa cortar as amarras, todas elas simbólicas, que o aprisionam e impedem de viver em plenitude.

Crenças, ideologias, medos e emoções reprimidas são tão ou mais aprisionadoras que as grades de uma cela. Enquanto não adquirimos esta consciência, vivenciamos um estado de ansiedade e desespero que se parece em muito com uma prisão, onde somos nossos próprios carcereiros.

Libertar nosso eu dessa condição de sofrimento exige uma única atitude, a observação atenta de nosso mundo interior, dos pensamentos que predominam em nossa mente e das emoções dolorosas que carregamos como um fardo ao longo da vida.
Raquel a 13 de Agosto de 2010 às 09:56

Raquel,

Obrigada pela sua visita e por ter deixado aqui a sua opinião sobre o assunto.
Cat2007 a 13 de Agosto de 2010 às 11:09

:) um beijo babe
Raquel a 13 de Agosto de 2010 às 21:05

Um beijo enorme!
Cat2007 a 15 de Agosto de 2010 às 14:32

Raquel, babe se tivesses colocado aspas no teu comentário eu perceberia que estás a citar outra pessoa e não me tinha equivocado a pensar que era um brasileiro ou uma brasileira a usar um nome igual ao teu. Lol. Bom, mas basicamente concordo com o que está escrito. Love you.
Cat2007 a 15 de Agosto de 2010 às 14:30

"A minha frase favorita é a minha quando me sai bem"
pesquisar
 
stats
What I Am
comentários recentes
há "sinais" que não devemos negar :D
Se o tédio estiver instalado numa relação, então é...
o tédio pode estar na própria relação... ou não?
No entanto, de facto, não associei. Ninguém é infi...
achei graça foi associares a tua infidelidade ao t...
Já tinha saudades de ler o seu blogue.
Ok. Obrigada, querida.
Posts mais comentados
140 comentários
122 comentários
122 comentários
106 comentários
82 comentários
arquivos
2017:

 J F M A M J J A S O N D


2016:

 J F M A M J J A S O N D


2015:

 J F M A M J J A S O N D


2014:

 J F M A M J J A S O N D


2013:

 J F M A M J J A S O N D


2012:

 J F M A M J J A S O N D


2011:

 J F M A M J J A S O N D


2010:

 J F M A M J J A S O N D


2009:

 J F M A M J J A S O N D


2008:

 J F M A M J J A S O N D


2007:

 J F M A M J J A S O N D


Junho 2007
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2

3
4
5
6
7
8
9

11
12
13
14
15
16

17
18
19
20
21
22

24
25
26
28
29
30


blogs SAPO