CAFÉ EXPRESSO

Maio 17 2016

 

 

Tenho de alterar as minhas férias já marcadas e aprovadas. Para tanto, terei de entrar em contacto com o Núcleo de Pessoal daqui. Por falar em núcleo de pessoal. Sempre é certo que quando há pessoal que se junta se forma um núcleo. Duro. Ou não. Estável ou instável. Permanente ou passageiro.

 

Uma pessoa está sempre inserida em núcleos. A questão é a extensão e a diversidade. Eu gosto do meu restrito núcleo de pessoas de quem gosto que não são família. E gosto do meu núcleo familiar.

 

Além disto, mas que já não tem a ver, posso ser enquadrada no grupo dos semi bichos-de-mato. Que, por definição, é um grupo de pessoas sem núcleo, lá está. Porque estão afastadas umas das outras, não interagindo (os semi bichos-de-mato não interagem entre si).

 

Quando estive internada no hospital uma data de tempo (por causa do acidente de carro que mais parecia de mota, dada a quantidade de gesso que tinha espalhado pelo corpo), todos os dias esperava a visita dos meus núcleos. Que vinham sempre. Era uma alegria vê-los. E o meu dia ficava preenchido com a companhia daquela gente quentinha, conversadora e sorridente. Sucedeu, porém, que, um dia, o meu primo apareceu com a namorada nova. Senti imediatamente que estava obrigada a fazer-lhe uma visita. Porque, na verdade, tive que fazer imensa cerimónia e perguntas de circunstância. Não há nada pior do que as “visitas”. Seja num hospital, seja em que sítio for.

 

É melhor explicar. Estas coisas dão-se com o passar pela vida. Uma pessoa aprende. De temperamento, sempre fui aberta e sociável, gostando sinceramente de todos. Estava em vários núcleos de diversas espécies e gostava muito. Ainda sou assim. Mas controlo-me. Anda uma miuda lá no ginásio a tentar criar um núcleo "para conversa enquanto treinamos" que já me enerva.

 

A propósito do meu temperamento, vou contar umas coisas que costumavam acontecer-me (e que já não sucedem, obviamente). 

 

Na escola secundária uma menina, que eu mal conhecia de vista, veio convidar-me para ir a um chá dançante no Colégio Militar. Eu disse-lhe que sim e fui. Mais tarde, uma colega de turma, daquelas com quem eu não me dava de uma forma mais próxima, convidou-me para passar o Fim-de-Ano com os amigos dela. E eu fui. Das duas vezes, foi uma seca mais ou menos inesperada. Porque, além do mais, eu era uma otimista. 

 

Também tive uma gorda, que, para o cúmulo, usava saltos altos na escola, que se colou a mim e passei a ser a sua melhor amiga (embora ela não minha). Andei o ano letivo todo a aturar as coisas que ela inventava sobre um namorado que não tinha e a fazer visitas ao bar a todos os intervalos. Porque a gorda tinha que comer bolos. Felizmente, no ano seguinte, a gorda seguiu o seu percurso para outra turma. Já não sei se foi porque chumbou.

 

Igualmente, apanhei com outra gorda. Esta era loura e vestia-se como um rapaz. Andava apaixonada por mim e portanto achou por bem fazer-me um cerco. Todos os dias me esperava à porta da escola com um poema escrito em inglês. Como eu era muito cool, disse-lhe que não podia ser namorada dela mas que, se ela quisesse, seria a sua melhor amiga. E assim foi. Durou dois anos tal amizade. No fim, a gorda estava toda ressabiada porque não conseguiu aquilo que secretamente nunca deixou de desejar e deu-me um chuto no rabo de surpresa. Magoou-me, by the way.

 

Enfim, a vida foi andando, e fui tendo outras coisas que podia aqui contar. Mas que não vale a pena.

 

Para o que importa, o problema concreto é que uma pessoa não se pode dar com toda a gente. Pelo menos eu, que dou de mim. Quando dou conta, estou a pensar na pessoa, a preocupar-me com ela. A abrir caminho. A dar o corpo (ou melhor a cabeça) às balas.

 

Para as pessoas dos meus núcleos, tenho os caminhos todos sempre abertos. Podem secar-me as vezes que quiserem. Podem pedir o que lhes der na gana. Podem aparecer e ficar pelo tempo que lhes apetecer. Podem falar sem nexo. Podem chatear. E eu posso dizer Não. Não tenho que "visitar" ninguém.

 

publicado por Cat2007 às 15:55
 O que é? |  O que é? | favorito
Tags:

" o problema concreto é que uma pessoa não se pode dar com toda a gente."....bólas!! Água e azeite não se misturam, pois não? também gostava...e esforço-me, ó Deus se me esforço....mas magoo-me  
Fernando a 17 de Maio de 2016 às 18:44

Eu disse isso porque estava a querer dizer que quando dou dou um bocado demais e não dá para toda a gente, ora!
Cat2007 a 17 de Maio de 2016 às 18:50

"A minha frase favorita é a minha quando me sai bem"
pesquisar
 
stats
What I Am
comentários recentes
achei graça foi associares a tua infidelidade ao t...
Já tinha saudades de ler o seu blogue.
Ok. Obrigada, querida.
Tu também!Envio te o número por FCP para o caso de...
Muito obrigada, Bruno.
Gostei do post.Não os lia faz algum tempo, já tinh...
Também estás na terapia. Ainda bem. Mas podemos se...
Posts mais comentados
140 comentários
122 comentários
122 comentários
106 comentários
82 comentários
arquivos
2017:

 J F M A M J J A S O N D


2016:

 J F M A M J J A S O N D


2015:

 J F M A M J J A S O N D


2014:

 J F M A M J J A S O N D


2013:

 J F M A M J J A S O N D


2012:

 J F M A M J J A S O N D


2011:

 J F M A M J J A S O N D


2010:

 J F M A M J J A S O N D


2009:

 J F M A M J J A S O N D


2008:

 J F M A M J J A S O N D


2007:

 J F M A M J J A S O N D


Maio 2016
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6
7

8
9
10
12
13

15
21

24
25
26
28



blogs SAPO