CAFÉ EXPRESSO

Outubro 17 2016

 

Teresa falou-lhe sobre a boca.

Teresa: Céus, que saudades!

E esmagou a boca de novo na boca dela. Agora apertava-a pelo tronco, escoriando-lhe as costas com as unhas. Madalena meteu uma mão entre as pernas dela. Sentiu o calor. Apertou para a incender de vez. Teresa soltou um pequeno gemido.

Madalena: Eu não te sirvo para mais nada senão para isto.

Teresa: E achas pouco, querida?

A saliva molhava os cabelos misturados nas faces e dentro das bocas. Teresa puxava-lhe a roupa. Até que a tomou pelos seios já desnudos com as duas mãos trémulas. Apertou-a. Madalena fez pender a cabeça para trás. E colocou as mãos sobre os ombros dela. Pressionou para baixo. Teresa parou a boca nas extremidades mais sensíveis. Beijou-as demoradamente, uma de cada vez. Madalena enfileirou os dedos pelas ondas leves dos cabelos de seda de Teresa. Puxou-os para trás. Para ver a boca dela. Que ainda não descansara. Teresa fez subir os olhos. E prendeu-a no seu olhar azul cintilante como o de um bêbado. Sem lhe largar os olhos, soltou a boca devagar e subiu-a a compasso até à boca dela. Beijaram-se com os olhos abertos. Presos entre si. As mãos acariciavam as faces em gestos mútuos.

Madalena: Que desejo horrível!

Baixou as duas mãos e desapertou-lhe os jeans com pressa. Deu uma sacadela para baixo. Meteu lá a mão toda. Ficou alagada. Fez escorregar os dedos por ali. Depois entrou facilmente. Teresa soltou um suspiro fundo. E prendeu-lhe mais a boca.

Teresa: Vem, querida. Vamos para o quarto.

Deu-lhe a mão para a conduzir. Iam ambas cegas. Mas Teresa tinha melhor poder de orientação porque conhecia a casa.

Madalena: O teu quarto não era este.

Teresa: Pois não. Este era o da minha mãe.

Madalena: Que pecado.

Teresa: Não sejas cínica. Vem cá.

Teresa despiu-a cheia de vagares e cuidados. Abriu a cama e mandou-a deitar-se lá. Ficou a olhar para ela. Lembrou-se das noites de solidão naquela cama. Ainda ontem. Nem bem acreditava que ela estava ali agora assim naqueles propósitos. Afastou-se dela pelo tempo necessário para ligar o som. Estava lá colocada a sua pen favorita. Voltou e despiu-se toda. A música começou no momento em que Teresa encostou o seu corpo ao dela e se abraçaram muito. Voltaram ao beijo. Que era o mesmo desde que se tinham começado a beijar. Os corpos colaram a pele na totalidade por uma imposição. Por vezes, tomavam atenção ao som. Feels just so fine/When we touch the sky me and you/This is my idea of heaven/Why can't it always be so good? Teresa subiu para cima dela e deixou-se ficar muito quieta. Depois, prendeu-lhe os braços por cima da cabeça. Mordeu-lhe os lábios. Com a mão livre acariciou-lhe a ilharga. Até que chegou lá. Fez deslizar dois dedos para dentro dela. E sacudiu-a com força. De olhos cerrados, Madalena ia-se desfazendo a cada investida. Libertava sonoridades. E nos cantos dos olhos espalhavam-se pequenas lágrimas desfeitas. Teresa libertou-a momentaneamente. Beijou-lhe de novo a boca com fúria. Madalena deu-lhe o abraço mais apertado que tinha. Teresa puxou-lhe a língua. Madalena agarrou-se aos cabelos dela para não cair. Teresa desceu a cara até ao ventre. Beijou-a ali. Depois desceu vagarosamente. E foi lá. Madalena partia-se em arroubos. Até que se deu a explosão violenta.

Madalena: Amas-me?

Teresa: Ainda não. Quero-te para já.

Madalena: Ai! não te amo, não; e só te quero/De um querer bruto e fero/Que o sangue me devora,/Não chega ao coração.

Riu-se.

Madalena: Não te amo. És bela; e eu não te amo, ó bela./Quem ama a aziaga estrela/Que lhe luz na má hora/Da sua perdição?

Continuou a rir-se

Madalena: E infame sou, porque te quero; e tanto/Que de mim tenho espanto, /De ti medo e terror... /Mas amar!... não te amo, não.

Teresa: Como sabemos Garrett era um Romântico.

Madalena: Sim. Só estava em negação. Quer dizer que me amas?

Teresa: Eu quero dizer que te amo. E tu?

Madalena: Desde que sei de mim.

publicado por Cat2007 às 22:01
 O que é? |  O que é? | favorito
Tags:

Folhas Caídas. Whatever works. Não sei falar. Não me lembro. Olha bem para aqueles sítios queridos.
Catarina a 17 de Outubro de 2016 às 22:38

Vejo que o Almeida Garrett fez furor.
Cat2007 a 17 de Outubro de 2016 às 22:40

Não gostei. O Sangue e a Alma uniram-se, por fim. Que pecado.
Como estava a dizer, no início...não gostei, amei.
Parabéns.
The Gambler a 18 de Outubro de 2016 às 00:14

Obrigada :)
Cat2007 a 18 de Outubro de 2016 às 09:55

"A minha frase favorita é a minha quando me sai bem"
pesquisar
 
stats
What I Am
comentários recentes
Com muita calma e paciência tudo se começa! 
Mas a questão é que, antes de se preocuparem com o...
yah, a quantidade de construções emocionais que nã...
Sabia que fazia anos, tinham me dito, mas no meio ...
há "sinais" que não devemos negar :D
Se o tédio estiver instalado numa relação, então é...
Posts mais comentados
140 comentários
122 comentários
122 comentários
106 comentários
82 comentários
arquivos
2017:

 J F M A M J J A S O N D


2016:

 J F M A M J J A S O N D


2015:

 J F M A M J J A S O N D


2014:

 J F M A M J J A S O N D


2013:

 J F M A M J J A S O N D


2012:

 J F M A M J J A S O N D


2011:

 J F M A M J J A S O N D


2010:

 J F M A M J J A S O N D


2009:

 J F M A M J J A S O N D


2008:

 J F M A M J J A S O N D


2007:

 J F M A M J J A S O N D


Outubro 2016
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9

22




blogs SAPO