CAFÉ EXPRESSO

Setembro 24 2016

Era sexta-feira. Teresa saíra cedo do escritório. Porque podia muito bem lançar trabalho para segunda-feira. Sentia o peito pesado e dores nas costas. Porque estavam tensas. Considerou que o melhor seria ir a casa mudar de roupa e sair para caminhar um pouco. Para se libertar.

Clara ainda não chegara. “Ainda bem. Não quero estar com ela hoje. Depois do que sucedeu ontem, nem sei o que lhe dizer”.

Libertou-se da camisa e do blazer e dos saltos altos. Enfiou uns jeans e umas botas castanhas de cano alto. Saiu par a rua. Foi para a Praça de Londres. Decidiu tomar um café muito perto de Madalena. Na Mexicana. Imaginava-a em casa. Mas ainda não era hora de a visitar. Antes, tinha que caminhar. Pensar um pouco. Tinha saudades físicas dela. Como todos os dias. Não queria discutir. “Hoje não”.

Terminou o café e dirigiu-se em passos descontraídos até à Avenida de Roma. Ia olhando para as montas distraidamente. Por vezes fixava-se nos vidros para se ver. Não estava segura da sua imagem. Toda a gente a achava anormalmente bonita. Mas ela não se via assim. “A nossa beleza são sempre os outros que acham. A beleza decisiva para a felicidade é aquela que é sentida por quem realmente nos importa. De resto, não decide nada e muito menos garante alguma coisa. A verdade, é que atualmente não me sinto bonita porque a Madalena diz que não me ama. E eu estou quase a acreditar”.

Caminhou mais um pouco. De costas para a Praça de Londres. Os pensamentos sobre o que sucedera na noite anterior com a filha impuseram-se-lhe. Não se reconhecia. O que tinha Clara a ver com o que ela andava a fazer? Naquela casa não se trancavam as portas. As rotinas era desassegredadas. Madalena não voltaria a cometer o erro de fazer amor com ela na casa da Alameda como há vinte anos atrás. Podia assim continuar com a filha nos mesmos rituais. Cada uma nos seus espaços íntimos. E os encontros nas zonas comuns da casa. Clara chorou. Não queria voltar fazer a filha chorar. Ela que só chorava por razões fortes. Como Teresa. Não lhe iria contar nada, afinal. Porque se lhe contasse alguma coisa, teria que dizer tudo desde o passado. Era muita coisa. A miúda não merecia. E não merecia também porque Teresa continuava incerta sobre o que desejava fazer da sua vida. Apesar de ser certo o amor que sentia por Madalena, não sabia se o queria viver assumidamente. Não sabia se queria mudar. Sem estas certezas, não podia contar nada à filha.

Atravessou a rua e voltou para trás em direção à Praça de Londres. Agora caminhava em passadas mais rápidas. Queria libertar-se das incertezas nos braços de Madalena. Talvez o amor que fizessem a ajudasse.

Madalena: Olá, querida.

Teresa: Tu dizes que não me amas.

Madalena: Vens para discutir ou vens para fazer amor?

Teresa: Venho para te atormentar.

Madalena: Não é preciso. Eu já vivo atormentada por tua causa. Mas se me quiseres atormentar na cama, parece-me bem.

Teresa: Estás tão segura de ti.

Madalena: Estou segura sobre as fórmulas químicas que aprendi.

Teresa: Gostas de brincar. Tornaste-te uma pessoa um bocadinho cínica. Consegues separar muito bem as coisas. A tua vida é a tua vida. Eu sou eu. E no in between aproveitas para me comer.

Madalena: De facto, vens para me queimar a cabeça apenas.

Teresa: Não. Venho para o teu corpo. Mas tenho raiva. Quero-te com raiva.

Madalena: Então faz-me com raiva.  

Teresa: És uma ordinária.

Madalena: Que disparate. Sou uma mulher adulta. Tu não.

Teresa: Cínica!

Madalena desnudou o tronco rapidamente.

Teresa: Aqui.

Madalena: Sim, aqui.

Madalena aproximou-se dela e mordeu-lhe a boca. Teresa investiu sobre ela ainda com mais raiva do que a que já trazia. Não se despiu. Empurrou-a contra a parede junto á porta da rua.  Baixou-se e puxou-lhe as calças para baixo.

publicado por Cat2007 às 14:04
 O que é? |  O que é? | favorito
Tags:

.....dasse!! como é que pedes um café 🍵? Bom dia tirava-me uma italiana?
Catarina a 24 de Setembro de 2016 às 14:21

Então este capítulo nem deu para matar o desejo, como uma italiana quando se quer café.
Cat2007 a 24 de Setembro de 2016 às 14:22

Madalena está uma mulher crescida. Sem dramas.
Gosto dela.
The Gambler a 24 de Setembro de 2016 às 18:23

Sem dúvida.
Cat2007 a 24 de Setembro de 2016 às 19:05

"A minha frase favorita é a minha quando me sai bem"
pesquisar
 
stats
What I Am
comentários recentes
achei graça foi associares a tua infidelidade ao t...
Já tinha saudades de ler o seu blogue.
Ok. Obrigada, querida.
Tu também!Envio te o número por FCP para o caso de...
Muito obrigada, Bruno.
Gostei do post.Não os lia faz algum tempo, já tinh...
Também estás na terapia. Ainda bem. Mas podemos se...
Posts mais comentados
140 comentários
122 comentários
122 comentários
106 comentários
82 comentários
arquivos
2017:

 J F M A M J J A S O N D


2016:

 J F M A M J J A S O N D


2015:

 J F M A M J J A S O N D


2014:

 J F M A M J J A S O N D


2013:

 J F M A M J J A S O N D


2012:

 J F M A M J J A S O N D


2011:

 J F M A M J J A S O N D


2010:

 J F M A M J J A S O N D


2009:

 J F M A M J J A S O N D


2008:

 J F M A M J J A S O N D


2007:

 J F M A M J J A S O N D


Setembro 2016
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3

4
5
6
7
8
9





blogs SAPO