CAFÉ EXPRESSO

Setembro 29 2016

Clara encetou uma reflexão.

Clara: Por exemplo, desde o início que ela me deu liberdade para pensar e agir. Porém, de acordo com um conjunto de princípios e de regras que são dela. Porque é minha mãe e os filhos devem seguir as linhas orientadoras dos pais.

Joana estava profundamente calada.

Clara: Ela é uma pessoa coerente. Esses princípios e regras são que melhor servem a sua forma de sentir e de pensar.

Joana mantinha-se calada. Porém, agora estava estupefacta com o que Clara lhe ia contando.

Clara: A questão é que me levou a crer que todos eles seriam tão bons para mim como são para ela. Em suma, a minha mãe educou-me como se fossemos iguais. Durante muito tempo convenceu-me. Até há pouco o meu maior objetivo era ser como ela. Alcançar aquele especial tom de azul. Lembras-te?

Joana: Sim. E já não é?

Clara: Não. O azul que eu quero está conquistado. É o teu. De resto, a cor é apenas uma coincidência. Tu és minha por isso tenho o teu azul. Que é completamente diferente do dela. Porque tem uma função muito distinta na minha vida.

Ofereceu a Joana um sorriso cândido.

Clara: O que sinto por ti extravasa, naturalmente, o universo particular das minhas relações com a minha mãe. Um universo que, até tu apareceres, era quase toda a minha vida.

Joana deu-lhe um beijo suave na boca. Ali mesmo no bar.

Clara: Não sei como ela reagirá à nossa relação. Não sei o que fará. Agora, quanto à mentira, não tenho dúvidas. Ela odeia a mentira. E nisso somos quase iguais. Embora ela seja bastante mais fundamentalista do que eu. Portanto, já vês, sinto-me muito desmoralizada. E estou com medo.

Joana: Medo dela?

Clara: Sim. Principalmente.

Joana: Querida, tu e a tua mãe vivem num estado anormal de sujeição relativamente à verdade. A verdade é um princípio. Uma linha orientadora de comportamentos.

Clara: Pois. É o que eu digo. A verdade é fundamental.

Joana: Querida, a verdade, enquanto princípio, ponto de partida para os nossos atos, deve ser respeitada. No entanto, não podemos olhar para ela com a submissão cega de quem é desprovido de sentido crítico e de bom senso. Sob pena de fazermos mais mal do que bem aos outros e a nós próprios. O facto de não teres contado imediatamente à tua mãe que namoras comigo não é um grande pecado. Nem chega a ser verdadeiramente uma mentira porque tu nunca quiseste manter a tua mãe na eterna ignorância. Se não fosse a necessidade que tens de resolver certas coisas na tua cabeça já lhe terias contado.

Clara: Com certeza. Mas eu contei-lhe uma série de mentirinhas que, todas juntas, significam que já lhe preguei uma grande mentira sobre a pessoa que eu sou.

Joana: Bem, estás mesmo decidida a contar-lhe já?

Clara: Sem dúvida.

Joana: Quando vais contar-lhe?

Clara: Neste fim-de-semana.

publicado por Cat2007 às 22:22
 O que é? |  O que é? | favorito
Tags:

"profundamente calada" tal qual.
Catarina a 29 de Setembro de 2016 às 23:06

Força Clarinha!

The Gambler a 29 de Setembro de 2016 às 23:58

Cat2007 a 30 de Setembro de 2016 às 11:01

"A minha frase favorita é a minha quando me sai bem"
pesquisar
 
stats
What I Am
comentários recentes
Também não acredito nisso...se é que alguma vez ac...
Com muita calma e paciência tudo se começa! 
Mas a questão é que, antes de se preocuparem com o...
yah, a quantidade de construções emocionais que nã...
Sabia que fazia anos, tinham me dito, mas no meio ...
há "sinais" que não devemos negar :D
Posts mais comentados
140 comentários
122 comentários
122 comentários
106 comentários
82 comentários
arquivos
2017:

 J F M A M J J A S O N D


2016:

 J F M A M J J A S O N D


2015:

 J F M A M J J A S O N D


2014:

 J F M A M J J A S O N D


2013:

 J F M A M J J A S O N D


2012:

 J F M A M J J A S O N D


2011:

 J F M A M J J A S O N D


2010:

 J F M A M J J A S O N D


2009:

 J F M A M J J A S O N D


2008:

 J F M A M J J A S O N D


2007:

 J F M A M J J A S O N D


Setembro 2016
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3

4
5
6
7
8
9





blogs SAPO