CAFÉ EXPRESSO

Abril 28 2017
Resultado de imagem para maria rapaz

 

Vou contar uma pequena estória que serve apenas para dizer o seguinte: há recalcamentos que nos tomam porque em estado infantil não compreendemos a frustração que se apodera de grande parte dos adultos e que, por consequência, marca negativamente as relações sociais dos vários tipos.

 

Quando era pequena cometi, entre muitas, duas pequeninas asneiras que gostaria agora de salientar. A primeira foi atirar com uma lata de lama para cima do vestido imaculadamente branco de uma menina que estava para ali ao pé de mim. A segunda foi ter levado uns bonecos em PVC dos desenhos animados de aventuras da casa de outra menina para a minha.

 

É de salientar que ambas as meninas não gostavam de andar de calças ou de calções e que tinham como preferência para as brincadeiras os tachos e as panelas em miniatura, bem como as bonecas.

 

Ora, começando pelas bonecas, estas, dada a rigidez, sempre me pareceram representações de pessoas acabadas de morrer (e que, portanto, ainda têm cores no rosto e nas vestes), sendo certo que os tachos e as panelas pequeninos em plástico apareciam-me também como verdadeiras inutilidades porque, afinal, nem sequer dava para estrelar um ovo a sério.

 

O que eu gostava realmente era de jogar à bola e subir árvores, entre outras atividades similares. E, na televisão, fixava-me em reproduções onde estivesse presente a aventura, o humor ou a pancadaria (v.g. os looney tunes).

 

A verdade é que, à vez, de acordo com o tempo de cada acontecimento, as mães das meninas “minhas“ vítimas, foram falar com a minha mãe, para, pensei eu, vitimizar ainda mais as ditas. Usaram, pois, discursos semihistéricos, cujo objetivo principal parecia ser, na verdade, diabolizar-me. Com efeito, quer uma quer outra aproveitaram os pretextos que as levaram ali para criticar quase tudo o que eu fazia.

 

O facto é que a minha mãe adotou uma atitude complacente perante estas mulheres, maneando a cabeça em sinal de assentimento ao que elas iam dizendo, procurando assim evitar conflitos inúteis. E tudo porque a mãe bem sabia que as críticas iam direitinhas para ela. Porque, enfim, a culpa é sempre da mãe.

 

O que realmente lhe estavam a dizer aquelas duas, percebo eu hoje, é que as mulheres, especialmente as mães, não deviam trabalhar fora de casa porque o seu papel na sociedade se esgota nas atenções da mais diversas espécies que têm que votar aos maridos e aos filhos. Uma mulher trabalhadora é uma mãe desleixada. Ponto final.

 

Estiveram, portanto, a chamar desleixada à minha mãe através de mim. No entanto, quando cada mulher saiu no seu dia de lá entrar, das duas vezes, a mãe fechou a porta e sorriu-me imediatamente. E, no que toca aos bonecos, disse-me ainda que eram muito giros, pelo que me compreendia.

 

publicado por Cat2007 às 14:41
 O que é? |  O que é? | favorito

Ela passar por tudo e a compreender-te
Catarina a 28 de Abril de 2017 às 16:00

Ah! Pois é. A minha mãe era assim. Percebia de pessoas e conhecia bem os filhos.
Cat2007 a 28 de Abril de 2017 às 16:02

"A minha frase favorita é a minha quando me sai bem"
pesquisar
 
stats
What I Am
comentários recentes
Com muita calma e paciência tudo se começa! 
Mas a questão é que, antes de se preocuparem com o...
yah, a quantidade de construções emocionais que nã...
Sabia que fazia anos, tinham me dito, mas no meio ...
há "sinais" que não devemos negar :D
Se o tédio estiver instalado numa relação, então é...
Posts mais comentados
140 comentários
122 comentários
122 comentários
106 comentários
82 comentários
arquivos
2017:

 J F M A M J J A S O N D


2016:

 J F M A M J J A S O N D


2015:

 J F M A M J J A S O N D


2014:

 J F M A M J J A S O N D


2013:

 J F M A M J J A S O N D


2012:

 J F M A M J J A S O N D


2011:

 J F M A M J J A S O N D


2010:

 J F M A M J J A S O N D


2009:

 J F M A M J J A S O N D


2008:

 J F M A M J J A S O N D


2007:

 J F M A M J J A S O N D


Abril 2017
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
14
15

16
17
18
19
21
22

23
27
29



blogs SAPO