CAFÉ EXPRESSO

Julho 06 2017
 
 
 
 
Resultado de imagem para homofobia
 
 

A homofobia é uma fobia. Logo, um medo irracional. No caso, é um medo irracional aos homossexuais. Conheço algumas pessoas, poucas, que têm aracnofobia. O que consiste num medo irracional às aranhas. Bom, se o medo é irracional, é porque não está razoavelmente fundado. Daí as reacções irracionais que o medo irracional despoleta. Por causa das aranhas já vi pessoas a pular e a gritar,como se houvesse incêndio na sua própria  roupa do corpo. Outras ficam muito caladas, com o olhar fixo no abstracto e o corpo rígido. Percebe-se a aceleração cardíaca. Não dizem nada. Estão mortas. De medo. Ainda um terceiro tipo: estas reagem. Pisam a aranha num assomo de agressividade sem precedentes. São impulsionados pela tensão nervosa extrema incontrolável. Mesmo depois do esmagamento da carcaça do bicho não descansam. A ideia é fazer eclipsar também os seus restos mortais. 

 

Não me lembro de algumas vez assistir a uma crise de homofobia ao vivo. Mas já li nos livros e já vi nos filmes, na televisão e na internet. Por vezes, o homofóbico salta sobre a aranha e desata a pontapeá-la. A ver se a mata de vez. Noutras circunstâncias, o homofóbico sai a correr. Há, ainda casos, em que é dominado por uma crise de catatonia. Fica tenso e calado, repetindo sempre o mesmo gesto reiteradamente. Este gesto é tipicamente o do "saltinho para o lado e enxotar", "saltinho para o lado e enxotar", "saltinho para o lado e enxotar", "saltinho para o lado e...".

 

Obviamente, há qualquer coisa de neurótico na homofobia. Como na aracnofobia. Como em qualquer fobia. A neura é tanto maior quanto menos razoáveis e desporpocionadas são as respectivas reacções. A visita a um médico é a melhor solução para quem abriga uma fobia já demasiado insustentável, com graves reprecussões na sua vida quotidiana.

 

publicado por Cat2007 às 15:56
 O que é? |  O que é? | favorito
Tags:

Outubro 03 2016

Teresa indignou-se ainda mais.

Teresa: Tu não tens noção. Uma relação perfeita. Já agora para a vida. Não? Isso não existe nem com um homem.

Clara: Não se trata do género. Trata-se de uma mulher porque aconteceu assim e…

Teresa não ouvia.

Teresa: Pensas então que podes escolher ter uma namorada e que tudo vai correr muito bem. Já viste como é o mundo. Achas realmente que te vão deixar viver assim? Que serás respeitada no emprego (quando tiveres um), nas relações sociais… Ou vais andar escondida como os ratos?

Clara: Mãe, eu amo a Joana. E não deixarei de ser coerente com este sentimento perante a vida. As coisas hão-de resolver-se à medida que forem surgindo.

Teresa: Amor. Que amor? Tens a lata de falar de amor quando te referes a um espécie de sentimento que põe em cheque a tua felicidade? Tu és uma criança, Clara. Não sabes o que é o amor.

Fez uma pausa e depois prossegui em tom calmo e sério.

Teresa: Olha, filha, tens que arranjar coragem para fazer o que é devido. E eu estou aqui para te ajudar.

Clara: E o que é devido, mãe?

Teresa: Esquecer tudo. Pôr a Joana para trás das costas. E viver daqui para a frente com normalidade.

Clara riu-se contidamente.

Clara: A normalidade. Mão, o que é normal é o que me faz sentir bem. Mas deixe-me que lhe diga que no princípio pensei exatamente assim. E até acreditei brevemente nessas coisas. O problema está no sentido que as coisas não fazem. Se a questão fosse apenas a de pôr a cabeça a pensar, quase tudo se resolveria. Mas o facto é que me bastou apenas vê-la para tudo mudar. Para, do confronto de umas realidades com outras, os meus raciocínios ficassem esmagados pela sua vacuidade imanente.

Teresa continuava a tentar não ouvir o que a filha dizia. Porque sobretudo não queria ver Clara como outra filha. Aquela que certamente não desejava e liminarmente rejeitava. Porque aquela filha punha-a em causa. A si própria e lhe exaltava a maldita culpa. Da culpa Teresa pensou que conseguiria livrar-se sempre. Sacrificara toda a sua vida para se livrar da culpa.

Teresa: vens falar-me de amor. Do amor entre duas meninas.

Teresa falava com raiva.

Clara: Mãe, há aqui qualquer coisa que me escapa. Afinal o que é que eu lhe fiz?

Teresa: Olha, Clara, não vale a pena continuarmos a argumentar uma com a outra.

Teresa não tinha recursos emocionais para dar suporte à posição fundamental que defendia. E isto sucedia pela primeira vez na vida das duas.

Teresa: Eu não consigo patrocinar esta estória lamentável.

Clara: Quer dizer que…

Teresa: Quer dizer que não vale a pena. Não quero que me voltes a falar dessa Joana. Daqui para a frente é com se ela não existisse. Tu fazes o que quiseres. Mas não tens o meu apoio nem solidariedade. E vais poupar-me a conversas.

Foi desta forma que Teresa rematou a conversa. Logo em seguida, mexeu os pés. Ia retirar-se. Porém, parou porque lhe ocorreu algo. Clara olhou para ela com alguma expetativa. Mas Teresa não disse nada, afinal. Saiu da sala decidida. Levava a cabeça bem levantada em conformidade com o seu habitual desenho de altivez. Tudo completamente desadequado à situação.

Clara segui-a com o olhar. “Mas rejeitar, não me rejeitou”.

publicado por Cat2007 às 14:16
 O que é? |  O que é? | favorito
Tags:

Setembro 18 2016

No fim dessa tarde Teresa ligou a Madalena.

Teresa: Posso passar ai hoje à noite?

Madalena: Podes. Convido-te para jantar.

Teresa: Obrigada. Preciso de falar contigo sobre um assunto importante.

Madalena: Queres adiantar alguma coisa?

Teresa: Não.

Madalena: Está bem. Até logo.

Pelo tempo que passou até à hora de jantar Teresa não conseguiu concentrar-se em nada. Clara gostava dos seus olhos azuis. Desde sempre. Não era isso que a incomodava mas o que a filha queria dizer com a referência aos olhos de Joana. Disse que eram parecidos com os seus. Quase iguais. O que se passava entre elas? A que propósito Clara era amiga de Joana. E Madalena saberia?

Madalena: Entra.

Teresa: Estou uma pilha.

Madalena: O que se passa?

Teresa: Afinal quem é essa miúda, a Joana?

Madalena: Como assim?

Teresa: Vá lá!

Madalena: É a miúda que tu viste entrar no prédio no outro dia. Já te falei dela.

Teresa: Ela anda com a minha filha.

Madalena: Anda com a tua filha?

Teresa: Sim. Sei lá. São amigas. Colegas de turma, acho eu.

Madalena: Tens ai alguma fotografia da tua filha? Mostra.

Teresa mostrou.

Madalena: É bonita. Mas não. Não conheço.

Teresa: Como não conheces? Elas são da mesma turma. Tenho a certeza. Ora, tu és professora da tal Joana.

Madalena: Sim. Mas só lhe dou uma cadeira de opção. De resto, já nem ando com ela. Esteva cá hoje. Veio almoçar comigo. Expliquei-lhe pela milésima vez que não estou disponível. Disse-lhe que fui para a cama contigo. E que não queria ir mais para a cama com ela. Em resumo foi isto.

Teresa: Foi por minha causa?

Madalena: A nossa estória é complicada. Nada tem a ver com ela. Disse-lhe de ti porque isso me ajudou a soltar-me dela. Mas já estava decidida a acabar. Mesmo antes de tu me apareceres aqui. A miúda ficou um bocadinho em baixo. Mas não creio que estivesse apaixonada por mim. Apaixonada a sério, entendes? Tinha uma atração física e um encantamento por eu ser mais velha, professora dela, essas baboseiras. Claro que a rejeição lhe vai fazer mal. Mas a quem não faz? De qualquer modo, ela tem uma cabeça muito saudável. Por isso vai ultrapassar a tristeza rapidamente. Aliás, a nossa estória não teve história. Durou para aí um mês.

Teresa: Muito bem. Mas para o que importa é que essa miúda é lésbica. E agora anda de um lado para o outro com a minha filha.

Madalena: E achas que se pega?

Teresa: Madalena, por favor, esforça-te para não me irritares. E se ela se atira à Clara?

Madalena: talvez ela se atire à Clara ou talvez não. Sabes que as lésbicas também têm amigas. Além do mais, a Joana está triste por minha causa. Não creio que se vá atirar a ninguém para já. Acresce que é uma miúda bem formada. Não estou a vê-la a criar um esquema para seduzir uma heterossexual inexperiente. A tua filha é uma inexperiente, não é? É tua filha.

Teresa: Nem nunca lhe conheci um namorado. As estórias dela nem chegavam a começar. Ela contava-me. Dizia que as coisas perdiam o encanto. O que ela gostava era de estudar e de fazer desporto. Depois dizia que me tinha a mim e que o primeiro amor não podia ser uma coisa banal. Por isso não teve sexo até hoje.

Madalena: Logo vi. Fizeste um ser à imagem daquilo que pensaste que a tua mãe queria que tu fosses.

Teresa: A minha mãe amou-me como eu de facto era. Mas só percebi isso tarde demais. Mas deixando a minha mãe de parte, o que me interessa agora é proteger a minha filha. Ela não passa de uma ingénua. E com a falta de experiência que tem, até se pode deixar encantar.

Madalena: Já te disse que a Joana jamais se aproveitaria de uma situação dessas. Mas imaginemos que acontecia alguma coisa, qual seria o problema?

Teresa: Qual seria o problema? Eu não criei a minha filha para isso. Passei vinte anos da minha vida a esforçar-me para ser um exemplo para ela. Por ela não voltei atrás… por ela… Ora bolas! O que se passou entre nós é gravíssimo.

Madalena riu-se.

Madalena: Entre ti e mim, é gravíssimo? Explica lá isso melhor.

Teresa: É o que te disse. A minha vida não podia ser diferente por causa dela. E…

Madalena: A tua vida não podia ser diferente por causa de ti. Já te disse. O horror que tens à tua homossexualidade é que te impediu de viver. Por outro lado, agora temes que a tua filha possa ter a mesma orientação que tu. Seria uma grande ironia. É que, caso tenha, tu não a vais deixar viver igualmente. A homofobia torna-te burra.

Teresa: Mas tu não entendes… Eu só quero que a minha filha seja feliz.

Madalena: Claro. Anda, o jantar já está pronto. 

Teresa: Essa Joana nunca te falou na Clara?

Madalena: As aulas só começaram há um mês. Falar não falou. Mencionou que tinha conhecido uma rapariga da idade dela mais ao menos ao mesmo tempo que me conheceu. E que achava que aquilo era capaz de vir a dar numa boa amizade. Não me lembro que tenha feito mais algum comentário.

Teresa: Com certeza. Andava doida contigo. Mas agora está livre…

Madalena: Não me obrigues a repetir-me. Não acredito que a Joana esteja disponível. E também não a estou a imaginar a meter-se com uma amiga. Isso é ridículo. Bebe vinho.

Teresa: Não, obrigada. Hoje é só água. Quero estar em casa sóbria. Talvez converse um bocadinho com a Clara sobre a Joana. Depende da disposição com que ela chegar a casa.

Madalena: Muito bem. Por acaso pensei que ias ficar comigo até tarde.

Teresa: Por acaso eu não estava a pensar nisso hoje. Foi um dia mau.

publicado por Cat2007 às 19:29
 O que é? |  O que é? | favorito
Tags:

"A minha frase favorita é a minha quando me sai bem"
pesquisar
 
stats
What I Am
comentários recentes
Não gostei dessa porra de comentario puta tem q fa...
Viver é respirar, de acordo. E continuo a insistir...
É verdade, a coragem é uma das coisas mais importa...
Também não acredito nisso...se é que alguma vez ac...
Com muita calma e paciência tudo se começa! 
Mas a questão é que, antes de se preocuparem com o...
Posts mais comentados
2 comentários
arquivos
2017:

 J F M A M J J A S O N D


2016:

 J F M A M J J A S O N D


2015:

 J F M A M J J A S O N D


2014:

 J F M A M J J A S O N D


2013:

 J F M A M J J A S O N D


2012:

 J F M A M J J A S O N D


2011:

 J F M A M J J A S O N D


2010:

 J F M A M J J A S O N D


2009:

 J F M A M J J A S O N D


2008:

 J F M A M J J A S O N D


2007:

 J F M A M J J A S O N D


Novembro 2017
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4

5
6
7
8
9
10
11

12
13
14
16
17
18

19
20
21
22
23
24
25

26
27
28
29
30


blogs SAPO