CAFÉ EXPRESSO

Fevereiro 16 2016

 

 

Hoje foi anunciado na rádio que em dezembro p.p. vem cá o Elton John. Não percebo o propósito de anunciar uma coisa destas tão cedo. Mas também é um facto que não percebo nada destas movimentações do marketing dos espetáculos musicais e assim.

 

Seja como for, o anúncio deixou-me indiferente. Quem é que quer saber do Elton John? Ninguém. A não ser uma ouvinte do programa que disse para lá que começar o dia com a notícia a fez praticamente levitar de felicidade. Portanto, ela e outras pessoas assim como ela, que devem ser centenas, importam-se com o Elton John. Pelo que o espetáculo é divulgado como se se tratasse de um grande acontecimento. O que não deixará de ser verdade para as pessoas que gostam do Elton John.

 

Está um frio de rachar. E eu estou a fazer horas para ir para casa ver o Benfica. Depois do que aconteceu com o Porto no fim-de-semana passado, as minhas expetativas estão em baixa. Mas não consigo alhear-me da coisa. Ao contrário do Elton John, não consigo ignorar o Benfica.

 

Estive a ver uma série de fotografias minhas. Detestei. Foram tiradas por uma colega de trabalho. Que tira ótimas fotos. Sucede que apareci sempre com cara de mulherzinha desinteressante. O que, para mim, significa mulher não bonita.

 

Como diz o Vinícius de Morais, uma mulher bonita tem que ter algum sofrimento no olhar. Traduzindo, uma mulher bonita tem que ser capaz de expressar alguma coisa mais profunda no olhar ou nas marcações do rosto. Seja a experiência. Seja a dor. Seja a dor da experiência.

 

Eu não. Eu estive só a fazer-me à câmara com pose de vaidosa envergonhada. É, ridículo.

 

Não vou dizer que todas as mulheres são bonitas. Ou que não há mulheres feias o que há é mulheres pobres. Porque isso são disparates que se costumam dizer a propósito da beleza das mulheres. Vou, antes, dizer que, não sendo especialmente bonita, sou muito mais bonita sem poses de parva.

 

publicado por Cat2007 às 18:34
 O que é? |  O que é? | favorito
Tags:

Março 08 2012

 

 

A propósito daquele homicida que é um caso recente. Aquele que se suicidou na cadeia. Consta que o homem era pai da criança da sua filha. Portanto, um pai-avô. Isto é de um nível de degradação moral que se articula mal com quaisquer juízos de valor. De facto, ninguém se sente à vontade para criticar este homem. Porque nunca poderemos saber bem do que falamos. Ainda bem, digo eu. Não obstante, sobre o assunto, declararam-me hoje sem pestanejar maior compaixão pelo pai do que pela filha. Não por acaso, foi uma mulher. Vislumbrei imediatamente a inefável solidariedade feminina. And that´s it.

 

publicado por Cat2007 às 19:00
 O que é? |  O que é? | favorito
Tags:

Março 03 2012

 

 

No outro dia estava no cinema a ver Mr. “Albert Nobbs” quando quase tive um ataque de pânico. Glen Close parecia um velhinho muito perfeitinho e amável. Talvez ganhasse o Òscar se este ano a Deusa não aparecesse absolutamente imbatível de "Iron Lady". O velhinho transportou-me imediatamente para a idade da própria. Glen Colse. Se já não passou, tem de estar na menopausa. Eu vivo ao sabor do temperamento das minhas hormonas. Dou-me muito mal com os ciclos mensais desde que os mesmos apareceram na minha vida. Muitas vezes, parece que vou ser engolida num  “Dia de Raiva”. Depois a coisa desaparece e acalmo. O certo é que sempre gostei de pensar que, um dia, quando chegar a menopausa, e assim lá consiga chegar, vou recuperar toda a tranquilidade e calma. Mas de repente ocorreu-me que pode não ser assim. Que tudo pode ser pior. Afinal até posso vir a enlouquecer. E aqui a seguinte invasão: “Estou no Cinema City. É a primeira vez que venho ao City [é incrivelmente verdade]. Mas onde raio fica isto?” Não me lembrava do caminho para lá. Não fui eu a conduzir. Esforcei-me. Porém não dei com o lugar. “Uma promessa de Alzheimer hoje para o futuro?” No fim do filme, já estava em Lisboa outra vez e não pensei mais no caso.

 

publicado por Cat2007 às 23:38
 O que é? |  O que é? | favorito
Tags:

Abril 19 2008

 

 

Claro que tudo o que eu vou dizer indicia uma feminista a falar. Mas não sou. Como todas as mulheres, sou machista. Sou assim porque tenho culpa. Não a assumo, mas ela tomou-me o ser, e comanda-me as razões e as emoções. Tudo o resto é uma luta. No mais, não sei porque gosto de ser mulher, embora vá gostando. Esta espécie de culpa abstracta de carácter religioso é um aconchego. Tudo o que sirva para nos inferiorizar também nos desresponsabiliza. Não se pede a quem não é capaz. É assim, em regra.

 

 

Perante a vontade de Deus, há que baixar a cabeça sem solenidade, com o certo sentido da humilhação. Encostar os lábios ao chão, e comer o pó. Perante a vontade dos homens (e das mulheres, bem entendido) que nos vêm falar da vontade de Deus, o pó colar-se-á nos nossos lábios húmidos de saliva e de lágrimas de arrependimento. Porque a nossa boca está no chão, engoliremos o pó colado nos nossos lábios. Comeremos assim o pó.  No fundo, comemos o homem. Porque, é preciso recordar, o homem (não a mulher) do pó veio e ao pó voltará.

 

Com efeito. E passo a citar, sob pena de não ser acreditada por dizer incredulidades: "A seguir (Deus - logo após a condenação da mulher  ao que sabemos) disse ao homem (ao homem, homem, macho, não ao Homem no sentido de ser humano. É que este conceito inapropriado inclui, penso eu, a mulher): Comerás o pão com o suor do teu rosto, até que voltes à terra de onde foste tirado; porque tu és pó e ao pó voltarás".  

 

Portanto quem comer o pó, seja, homem ou mulher, comerá, por assim dizer, o homem. Já num sentido mais actual dos termos, quem injectar o pó por algum tempo, será um junkie mais tarde. E há quem pense que é melhor ser drogado do que paneleiro.  Pelo menos, eu já ouvi dizer isto. Quanto a ser preferível ser drogada a lébica, nunca ouvi dizer nada neste sentido. Mas isso é porque, como sabemos, as mulheres não contam. Pouco importa se injectam pó ou comem mulheres. De qualquer modo, mesmo que comam mulheres, não comem pó, comem, talvez....costelas... de homem. Uma sensaboria!

 

Já se sabe: a mulher é um produto de uma costela do homem: "O Senhor Deus disse: Não é conveniente que o homem esteja só; vou dar-lhe uma auxiliar semelhante a ele". Aqui tenho de parar a citação. Estou com um bocado de falta de oxigénio no cérebro (Não consigo pensar, o que é natural uma vez que sou mulher). Agora segue-se um pequeno período de catatonia: UMA AUXILIAR. UMA AUXILIAR. UMA AUXILIAR. UMA AUXILIAR UMA AUXILIAR? UMA AUXILIAR?? UMA AUXILIAR?! COMO? UMA AUXILIAR! UMA AUXILIAR? O QUE É UMA AUXILIAR?

 

Pronto, já estou bem. Continuando: "Da costela que retirara do homem, o senhor Deus fez a mulher e conduziu-a até ao homem. Então o homem exclamou: Esta é, realmente, osso dos meus ossos e carne da minha carne. Chamar-se-á mulher".    Temos que aceitar. Porque vem na Biblia. E "é por vontade de Deus que eu vivo nesta ansiedade". E também foi "Deus que deu luz aos olhos e deu-me esta voz a mim". Á Amália, claro. 

 

Por muito que procure, não consigo encontrar na Biblia o fundamento directo do racismo. Só da xenofobia. Mas, evidentemente, devia lá estar. Penso que há, por esta razão, uma grande falha na Bíblia. O Grande Livro de todas as resposta devia dar-nos a explicação para o facto de, por exemplo, os "pretos" serem inferiores aos brancos. 

 

Porém, voltando ainda ao "Jardim do Éden", percebo agora, porque razão quis Deus retirar ao homem a faculdade (o poder, digo eu) de "gerar" e "dar à luz". Na verdade, as crianças deveriam ser concebidas nas costelas do pai e nascer-lhes por um buraco nas costas. E só assim não é porque foi preciso condenar a mulher às dores de parto. Porque a mulher se deixou enganar pela serpente e enganou o homem. Veja-se que o homem e a mulher comeram a maçã, mas a serpente não. A serpente tem mais personalidade do que ambos e a mulher, sendo mais estúpida do que a serpente, sempre é mais esperta do que o homem. É por esta razão que o único castigo da serpente consistiu em rastejar para sempre. O que não se pode dizer que seja uma má coisa, verificadas todas as vantajens conexas de que as serpentes gozam na vida.  Perante tudo isto, só não sei o que dizer da cesariana.

 

Eu acredito em Deus. Tenho muito menos fé do que aquela que preciso. Mas acredito. Porque sinto. O sentir é algo que é pensado, e faz sentido na alma de uma pessoa. Eu sinto. Por sentir, gostaria de sentir ainda mais. Há uma força que vem disto. Uma força maior do que nós. Muito maior. Que, por vezes, nos afecta. Nos faz ser melhores. De vez em quando. Tenho pena que só me afecte e não me altere. Se me alterasse eu teria verdadeiramente fé. Ter fé é o meu maior desejo. É um sonho. No dia em que eu for capaz de ser justa e limpa; no momento em que eu souber como não sentir as minhas dores; na altura em que eu compreender o que significam exactamente o perdão e a bondade; nesse dia eu serei uma pessoa com alguma fé. Logo melhor. Por isso muito mais forte. É um sonho. E todos temos o direito de sonhar.

 

Portanto, que se calem o papa e os padres. Que se acabe com os deprimentes cânticos da igreja. Que não se ouçam mais salmos e provérbio recitados. Quer dizer, isto é só uma forma de falar. Ou seja, eu é que não estou para estas coisas, quem quiser, que coma o pó. De resto, a liberdade é um bem fundamental.

 

No entanto... vale sempre a pena abrir a Bíblia para ler o "Sermão da Montanha".

 

 

 

publicado por Cat2007 às 21:30
 O que é? |  O que é? | favorito
Tags:

Abril 17 2008

 

 

Pouco depois do principio de tudo veio a maçã.

 

"Vendo a mulher que o fruto da árvore devia ser bom para comer... agarrou do fruto, comeu, deu dele também a seu marido... e ele também  comeu. (...) Depois (Deus) disse à mulher: Aumentarei os sofrimentos da tua gravidez, entre dores darás à luz os teus filhos. Procurarás apaixonadamente o teu marido, mas ele te dominará." - Genesis - 3

 

Quanto ao homem, dispenso-me de citações. Basta dizer que ficou condenado a trabalhar imenso. Portanto, a ser dono dos bens familiares. Portanto, a ser o titular do poder. Poder material pela condenção própria. Poder emocional em virtude da condenação da mulher a procurá-lo apaixonadamente, num processo em que ele dominará - tradução: ele não amará tanto a mulher como ela a ele.

 

Como é possível acreditar nestes absurdos?

 

publicado por Cat2007 às 20:04
 O que é? |  O que é? | favorito
Tags:

"A minha frase favorita é a minha quando me sai bem"
pesquisar
 
stats
What I Am
comentários recentes
Duas situações recentes... Lamento muito. Espero q...
Como te compreendo!Eu costumo dizer que algo se qu...
Sim. Acredito.Beijo.
Não podia concordar mais. Infelizmente padeço dess...
Eu esforço-me por não ser-
sim...no mais , é mais isso. com sorte, seremos nó...
Posts mais comentados
10 comentários
2 comentários
2 comentários
arquivos
2017:

 J F M A M J J A S O N D


2016:

 J F M A M J J A S O N D


2015:

 J F M A M J J A S O N D


2014:

 J F M A M J J A S O N D


2013:

 J F M A M J J A S O N D


2012:

 J F M A M J J A S O N D


2011:

 J F M A M J J A S O N D


2010:

 J F M A M J J A S O N D


2009:

 J F M A M J J A S O N D


2008:

 J F M A M J J A S O N D


2007:

 J F M A M J J A S O N D


subscrever feeds
Maio 2017
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6

7
8
9
12
13

17
20

21
22
23
26

28
29
30
31


blogs SAPO