Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

CAFÉ EXPRESSO

"A minha frase favorita é a minha quando me sai bem"

CAFÉ EXPRESSO

"A minha frase favorita é a minha quando me sai bem"

O MEU CAFÉ


Cat2007

12.06.19

Resultado de imagem para copo com café

 

Imagino que tenho um ar sensível e compreensivo. Digo isto porque as pessoas em geral me procuram para ajudar. Vejamos: querem sobretudo contar episódios da sua vida privada, tendo obviamente em vista “despejar o saco”. Com mais ou menos vergonha. E eu não me lembro de nenhum caso em que, tendo produzido uma opinião, a mesma fosse ouvida. Quem diz uma opinião refere-se a um conselho. As pessoas não vêm desabafar para ouvir conselhos. As pessoas não vêm desabafar para ouvir, ponto.

No outro dia ofereci o meu café ainda intocado a uma senhora que, infelizmente, não era boa da cabeça. É que ela foi explicando que todos os dias ia à ginástica ali mesmo ao lado, mas nunca bebia café. Achei, então, que era uma boa razão para beber o meu. Depois pensei em arranjar um outro para mim. E depois, por fim, esqueci-me.

 

COISAS PARECIDAS


Cat2007

04.06.19

O tempo está instável como eu já fui. Muitas vezes, a minha mãe dizia que se ia embora de casa. Hoje percebo que era coisa que lhe saia pela boca quando estava enervada com o meu pai. O que igualmente sucedia muitas vezes. Chegava mesmo ao ponto de se ausentar, de vez em quando, para casa da irmã mais velha. Depois voltava, como sempre.

A questão é que eu era um bocado pequena demais para não encarar com a máxima seriedade aquelas declarações e atos. Para mim, a minha mãe fazia essas coisas quando estava, por alguma razão, farta. Porque, veja-se, as discussões nem sempre começavam por causa dele.

Bem, e, assim, logo que comecei a namorar mais a sério, passei a vivenciar coisas parecidas. Não iguais. Parecidas. Sem desconfiar que estava a mimetizar, começou a estabelecer-se em mim um padrão de comportamento específico: o meu saco começava a encher lentamente quando as vivências, ainda que prazerosas, eram demasiado intensas. Depois, quando o meu saco já estava a meio, eu, por causa disso, por estar a meio, principiava a sentir uma espécie de impaciência. Por fim, tinha que me afastar. Durante um dia ou dois. Mas tinha que me afastar. Quando já não sentia o ar a entrar, a fluir e a sair dos pulmões com a mesma fluidez e leveza. O corte poderia surgir de uma discussão. Normalmente, era assim. Mas se a discussão não surgia, eu pirava-me da mesma maneira. Para voltar. Claro que me lixei seriamente com isto. Uma vez ou outra. Sofri.

Hoje sou estável como o tempo quando está desse modo.

QUANDO ALGUÉM DEIXA DE GOSTAR


Cat2007

31.05.19

Resultado de imagem para virar costas

 

Sucede-me ter os afetos e os respetivos objetos bem arrumados em espaços próprios e distintos no meu coração. É por isso que não poderia jamais ter sexo com alguém que fosse um amigo. É também por isso que há algumas pessoas que são a pessoa mais importante da minha vida. É por áreas, espaços, de afeto, sublinho. Ou seja, para cada contexto afetivo existe a pessoa mais importante. Que são várias, portanto. Repito. Mas não muitas. Esclareço. O fio condutor é o amor. Um amor de cada tipo. Para cada tipo. Claro. Uma mãe e um pai e os irmãos. Um amor. Um amigo ou dois. Vivo convencida de que as pessoas destes lugares de afeto apenas os ocupam porque também elas o sentem em igual medida. É a coisa da alimentação dos sentimentos. As pessoas não se alimentam de pessoas, de certo modo. Mas os afetos alimentam-se de afetos. Assim, as perdas não têm significado de relevo quando alguém deixa de gostar. Uma perda só o é realmente quando o amor existia e foi a vida que nos espoliou. Dito isto, penso em amores e amigos que já não o são. E não dói nada.

 

ABORRECIMENTO


Cat2007

30.05.19

Resultado de imagem para villanelle

 

É interessante. O que é interessante? Falo das pessoas. Do meu ponto de vista, as pessoas interessantes são aquelas que conseguem despertar-me a atenção. Não falo do físico, naturalmente. Apesar de que tudo é sempre um conjunto. Não sei se peço muito. Ou se peço pouco. Não sei o que é muito ou pouco nesta matéria. Também não sei se não serei um bocadinho esquisita. É interessante uma ou duas frases com conteúdo improvável. No sentido de inesperado. Ou, então, inovador. Confesso que aborrece-me ouvir sobre o que já sei de todos os dias. Deste modo, andei a acompanhar religiosamente uma série sobre uma psicopata chique e bem-sucedida. Mas muito muito entediada. Vilanelle. Claro que é necessário ver para compreender o que quero dizer.

 

MUNDO DE AVENTURAS


Cat2007

28.05.19

Resultado de imagem para Aquilino Ribeiro

 

Desde pequena que leio muito. Muitos livros. No início todos os que me apareciam à frente. Hoje em dia, escolho. Mas, como ia dizendo, lia muito em pequena.  Por isso, logo cedo, li todos os livros do meu pai. Além daqueles que também ia buscar à biblioteca perto de casa.

 

O primeiro impulso foi a curiosidade. Porém, o segundo estímulo veio do meu irmão mais velho (2 anos mais), que lia muito mais do que eu, diga-se. Assim, estava sempre a desafiar-me para mais uma leitura. E passou a ser ele quem me apresentava aos títulos.

 

Bem, para dizer verdade, não li todos os livros do meu pai. É que havia a coleção do Aquilino Ribeiro. Tentei. Abri um e a linguagem fechada, agreste, teve em mim um impacto semelhante ao de um pontapé no traseiro. Senti-me, assim, expulsa daquele mundo particular.

 

Porém, o meu irmão não. O meu irmão lia aquilo e vibrava. Quantas vezes o vi a sorrir e mesmo a rir no âmbito daquelas leituras. Depois vinha contar-me as estórias que por ali encontrava. Que me admiravam muito. Quer me fascinavam, quero dizer. E lá ia eu tentar de novo. Ele disse-me que “Quando os lobos uivam” era talvez o melhor. Tentei de novo. E não fui, mais uma vez, capaz.

 

A questão é que aquilo estava demasiado longe da minha zona de conforto literária. Eu, como na prosa e na poesia, tenho na vida um espírito aventureiro com açaime. É assim.

FOBIAS


Cat2007

23.05.19

Resultado de imagem para claustrofobia

 

Quando eu era pequena a minha mãe tinha o hábito de contar a toda a gente que eu não queria tomar banho. Tratava-se do seu modo particular de pedir auxílio em vão.

 

Eu gritava na banheira. Havia necessidade de dois adultos para a tarefa. E o chão ficava totalmente alagado. Entretanto, a paciência esgotava-se e, portanto, havia dias (felizes) em que me deixavam em paz. A sensação da água a correr sobre a cabeça causava-me ansiedade e falta de ar.

 

Conheço uma pessoa que tem terror de baratas. Mas não pensa nelas muitas vezes. Apenas entra em pânico quando as vê. A isto eu chamo uma fobia bem colocada. O medo surge, e somente surge, em face do objeto ou da situação objeto.

 

Enfim, vou a Itália e o avião, embora da TAP, é pequeno. Claro que já fui a Barcelona, embora na TAP, e o avião ainda era mais pequeno. E fui e vim. Tão confortável, que até dormi. Acresce que, no outro dia, atravessei um túnel já grandinho e nada me sucedeu lá dentro. Aos nervos, quero dizer. Porém, senti ansiedade e falta de ar antes de lá entrar. Devo ter, então, uma clautrofobia em perspetiva. 

 

PERFECIONISMO


Cat2007

16.05.19

Resultado de imagem para killing eve jodie comer

 

Na medida em que possuo o nível de exigência de uma perfecionista, eu nunca faço as coisas muito bem feitas. É como se fosse duas pessoas. Uma que faz e outra que manda. A que faz fica muitas vezes desanimada. Porque não acredita que alguma vez chegará ao nível exigido pela que manda. É por isso que não tenho grandes expetativas quanto à minha pessoa, bem como me sinto aturdida quando me reconhecem mérito.

 

O AMOR AO ESCORPIÃO


Cat2007

03.05.19

Resultado de imagem para ESCORPIÃO

 

As qualidades humanas constituem dados relativos, dependendo sempre do alvo, o qual é terceiro interessado (quem aprecia ou aquele não parecia). Mas, em vez de dizer qualidades, é melhor falar de características – que se transformarão em qualidades ou defeitos em função da apreciação que lhes seja feita pelos referidos terceiros interessados. Significa isto que, embora existam boas e más pessoas, assim classificadas em conformidade com os conceitos universais do bem e do mal, não será isso (a bondade ou a maldade) que releva do ponto de vista das relações que se vão estabelecendo entre os indivíduos.

 

INDIFERENÇA


Cat2007

09.04.19

Resultado de imagem para ouvir

 

Uma pessoa que gosta a sério não é obrigada a gostar de qualquer um. Mesmo que não sinta o não-gosto. Uma pessoa pode sentir-se mais ou menos indiferente e é só isso. E, por isso, uma pessoa não tem vontade de entabular uma pequena conversa que seja. Assim, uma pessoa coloca, as mais das vezes, um ar distraído, respondendo a estímulos quando é mesmo inevitável, em nome da preservação das sãs relações regulares forçadas. Em suma, uma pessoa abstém-se. E fá-lo apenas para não se violentar muito.

 

A indiferença não significa não-estima. A indiferença nada tem a ver com não-gostar. Antes, é uma abertura para a libertação do outro. Na verdade, quando não estou a ouvir o que qualquer um diz, estou a conceder-lhe espaço para se exprimir como entender. Só não dou feed-back. Porque precisamente não ouço.

 

NÃO SEI SE FOI PELO CIGARRO


Cat2007

04.04.19

Resultado de imagem para paul newman

 

Uma vez um homem parecido com o Paul Newman pediu-me um cigarro nos jardins do Hospital Júlio de Matos. Dei-lhe. E lume também. Foi quando voltou a falar-me que tive a certeza que era doido. Disse, olhando-me fixamente nos olhos, que estava ali porque era muito má pessoa. É claro que sim. Doido varrido. Nenhum de nós, alienados do lado de cá, se põe, em qualquer circunstância, a dizer uma verdade sentida enquanto abre livremente o olhar para o outro que enfrenta.

 

Mais disse-me o Paul Newman que eu era boa pessoa. Não sei se foi pelo cigarro mas é provável.

 

 

stats

What I Am

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.