CAFÉ EXPRESSO

Setembro 02 2007

 

 

 

 

 

Há uns anos tive uma relação. Ontem estive com essa pessoa e aconteceu recordarmos alguns passos dela. Sempre a rir. Na verdade, cada facto era um acontecimento. Essencialmente por isso acabou por acabar. Foram sete anos em que me pareceu que andava a snifar cocaína todos os dias. Sempre em permanente agitação.

 

Recordo de, na altura, vir uma ex-namorada dizer-nos que nós não tínhamos uma vida nada interessante. Para uma burguesa uma vida interessante compõe-se de idas regulares ao cinema, uma grande viagem por ano, pelo menos, e algumas leituras de circunstância a fim de ter matéria para conversas circunstanciais, dando a impressão de que se é culto sem, na verdade, ter verdadeiramente interesse por qualquer manifestação cultural. Ah!, quase me esquecia, também seria necessário jantar fora com regularidade, experimentando novos sítios e sabores.

 

Para além da evidente má criação, o que ficou claro foi que a ex-namorada era ex-namorada. Era a própria ex-oportunidade de viver, ou alienação regrada e integradíssima no sistema de adaptação social que faz tão bem.

 

Nós estávamos em casa e chegavam pessoas. Cozinhar é uma arte onde se pode revelar toda a bagagem cultural adquirida através das experiências que comportam um determinado tipo de conhecimento que é, precisamente, cultural. A pessoa com quem vivi cozinhava nestes termos. As pessoas apareciam para jantar. Na maior parte dos casos, como se percebe, não eram convidadas. Juntavam-se lá em casa pessoas que se desconheciam mutuamente. Pessoas que, as mais da vezes, nada tinham de comum entre si, mas que se divertiam a jogar poker , a ouvir e a contar histórias, a partilhar experiências e muito whisky.

 

A pessoa com quem eu vivi cantava. Mas cantava a sério. Era capaz de pôr um disco a tocar, cantar ao lado do Sinatra e parecer um duo a quem estava de costas. A pessoa com quem eu vivi, sabia fazer sapateado e gostava de se exibir. A pessoa com que vivi lembrava-se constantemente de pegar em tábuas, folhas de papel ou telas, lápis, pincéis ou canetas de filtro e desenhar uma pessoa ali ao jantar. A pessoa com quem eu vivi tinha o hábito de usar uma máquina fotográfica que estava lá para casa e fotografar a cara das pessoas a preto e branco. A pessoa com quem eu vivi recebeu um prémio de fotografia em Londres. A pessoas com quem escreveu guiões de cinema, peças de teatro e poesia. A pessoa com quem eu vivi não era artista porque não se dedicava a isso profissionalmente. A pessoa com quem eu vivi bebia por causa disso. A pessoa com quem eu vivi tinha uma coragem física e uma segurança social incomparáveis. A pessoa com quem eu vivi queria ser muito melhor do que imaginava que era e nunca saberemos o quão boa era. Por isso usava apenas o seu próprio talento para brincar. Por isso bebia e continua a beber.

 

Os factos até podem levar à conclusão de que tudo  podia ser um tanto decadente e triste, do ponto de vista do que posteriormente viria a acontecer . Não sei. Sei que pouco interessante é que não é. Cada minuto era uma viagem de longo curso. Cada episódio de vida era um livro de autor consagrado. Cada gargalhada provinha de algo tão bom como a melhor comédia produzida. Cada momento de amor era intenso e profundo. Num sistema mundial onde a democracia é o valor primordial, onde a igualdade é a palavra de ordem, há pouco espaço de aceitação para aquilo que é marcadamente diferente. O desajustado faz-se implodir. Porque ninguém aguenta a força toda do mundo em pressão de sentido contrário.

 

Compreendo perfeitamente que a pessoa com quem eu vivi, que amei, continue a beber e que nada, mesmo nada, lhe dê um sentido para parar. Ontem ri-me muito. A nossa história de amor acabou por causa de uma quantas garrafas de JB. Mas não foi verdadeiramente por causa disso. E, no entanto, ela ainda subsiste. Foi isso que acabámos a dizer antes de eu me vir embora ontem (mais uma vez). Nesse momento, a pessoa com quem vivo actualmente disse-me que se eu não desse um abraço, o faria em meu lugar. Dei aquele abraço à pessoa com quem vivi. Está muito carente. Eu não.

 

A minha vida de todos os dias é aparentemente igual à vida de todos os outros, e, talvez, até tenha uns pós a menos em actividades que eu não faço por decisão tomada. Mas a minha vida de todos os dias é cheia de vivências, emoções, novas ideias e conclusões preliminares sobre tudo o que me acontece. Chego ao fim do dia cansada e a sentir que me fartei de viver. E esta actividade não acaba. Só, talvez, quando um dia me cansar. O que é difícil porque o mundo está cheio de detalhes que vale a pena considerar.

  

Guardo comigo o meu património que tenho a sorte de poder transportar dentro de mim para todo e qualquer  lado. O meu património e eu é tudo aquilo que tenho e sou.  A pessoa com quem eu vivi é um dos meus maiores espólios. A nossa grande vantagem foi termos conseguido ser em conjunto duas individualidades distintas cada uma igual a si própria. Coisa muito interessante. Sinto-o.

 

publicado por Cat2007 às 15:08
Tags:

Assim é, babes. A melhor coisa é pack light já que a gente nunca sabe a hora que vai ter que partir.
Lee a 4 de Setembro de 2007 às 18:45

"Ter que partir". Também anda pensando na morte? Parece. Eu ando um bocado. Mas é porque a vida me está a parecer um pouco de menos na presente conjuntura.
Bom, seja como for, a minha viagem ao Rio de Janeiro já esteve para mais longe. Temos muito para falar cara a cara. É o que me parece cada vez mais. Beijo.
Cat2007 a 4 de Setembro de 2007 às 20:24

"A minha frase favorita é a minha quando me sai bem"
pesquisar
 
stats
What I Am
comentários recentes
Sim, de acordo. Algumas pessoas não querem ser dif...
Muitas vezes associamos a busca da novidade à adol...
Ainda tens o prazer de sintetizar fumo pelos pulmõ...
Adoro ver-te no sofá
“Mesmo no mais alto trono do Mundo, estamos semp...
Identifico me bastante. Quando gosto de fazer algo...
Gostei, esta bem explicado.
Posts mais comentados
140 comentários
122 comentários
122 comentários
106 comentários
82 comentários
arquivos
2018:

 J F M A M J J A S O N D


2017:

 J F M A M J J A S O N D


2016:

 J F M A M J J A S O N D


2015:

 J F M A M J J A S O N D


2014:

 J F M A M J J A S O N D


2013:

 J F M A M J J A S O N D


2012:

 J F M A M J J A S O N D


2011:

 J F M A M J J A S O N D


2010:

 J F M A M J J A S O N D


2009:

 J F M A M J J A S O N D


2008:

 J F M A M J J A S O N D


2007:

 J F M A M J J A S O N D


Setembro 2007
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10
11
12
13
14

16
17
18
19
20
21
22

23
24
25
29

30


blogs SAPO