CAFÉ EXPRESSO

Junho 16 2010

 

Happy feet.svg

 

Eu gosto de andar na "Montanha Russa". Tanto, que costumo comprar logo duas voltas seguidas. É que aquilo só tem ali uma parte que arrepia. O resto é basicamente anti-climax. O estado de anti-climax nada tem a ver com o período pós-orgástico. Penso mesmo que são opostos. Em primeiro lugar, "pós" (de depois, não de pó, cocaína ou farinha Maizena)  não significa o mesmo que "anti" (de contra, não de Antilhas Holandesas). Só por aqui se vê logo que não é a mesma coisa. Que são realmente coisas que se contrariam.

 

O anti-climax é um evento que se realiza todos os anos... não é nada todos os anos. Estava a brincar. Antes fosse! Antes fosse! Então, como ia dizendo o anti-climax é um evento que se realiza todos os meses, todas as semanas, todos os dias, a toda a hora? Não. É um evento que se realiza, sem data marcada. Mas que se realiza, realiza.  A si próprio. O anti-climax é um evento que se realiza para se auto-realizar. Portanto, um facto que sente. Tal qual as pessoas. Nunca pude imaginar que os factos sentem. Mas isso era apenas porque não tinha reflectido sobre a questão. Os factos sentem. Sentem na medida em que se fazem sentir. E os factos que se fazem sentir em sentido radicalmente oposto ao que as pessoas queriam para determinada situação concreta são os factos que sentem. Assim, reformulando, só os factos autónomos é que sentem. Autónomos em relação à vontade. É ou não é verdade que o anti-climax é um facto que origina frustração? E quando é que a frustração se dá? Pois exactamente! Quando a expectativa é alta. Altas expectativas geram frustração porque se baseiam em concretas situações que produzem factos autónomos. Factos que contrariam as expectativas, pois. Nestes casos, é como se o sentimento não fosse nosso. A coisa sai de nós porque não a controlamos. Fica como que a pairar ali á nossa frente. A esfregar-se na nossa cara sem decoro. O anti-climax é um furto por esticão de um especial prazer projectado que parece que vai acontecer mas não ocorre. Ocorre precisamente o contrário. Mas parece que ocorre. Mas não corre. Não corre bem. O problema está que o facto anti-climax dá experiências a experimentar. Daí que a crença na apoteose é imensa, incontornável. Por isso a terrível sensação de "flop". Ninguém fuma relaxadamente um cigarro depois de experienciar um "flop". Quando muito, fuma logo uns três ou quatro seguidos, dado o estado de irritação. Isto também se aplica a quem não fuma. Embora eu não compreenda muito bem o que faz uma pessoa que não fuma numa situação destas. A que se agarra exactamente? Bom, os não fumadores lá sabem. Se querem continuar sem fumar, é problema deles.

 

O orgasmo. Pois acredito que a Philip Morris deve muito do seu crescimento aos orgasmos, malgrado os resultados do relatório Hite dos anos 70. Na verdade, sabendo-se que a esmagadora maioria das mulheres americanas da época não se vinham, também isto ajuda a explicar os bons resultados da empresa. Os homens fumavam um depois. As mulheres fumavam três. Também por aqui se pode ver que o climax e o anti-climax são uma espécie de signos opostos. Têm uma qualquer relação fundamental que os une, mas que eu não sei explicar, uma vez que não percebo nada de astrologia. Percebo é que a astrologia anda ligada ao sexo. As pessoas consultam os horóscopos por causa disso, não é verdade? Também por causa da saúde e do dinheiro. Mas é exactamente a mesma coisa. Tudo para acabar na  cama com alguém. Como é obvio, por trás desta trapalhada toda paira o afecto. O afecto: the real need. Não é nada difícil confundir um orgasmo com uma declaração de amor. Porque o estado pós-orgástico é mesmo o estado de graça por excelência. O cigarro é fumado com a tranquilidade própria do perfeito idiota. É um cigarro sentido. E o que farão os não fumadores? Tão sentido, o cigarro, que até costumamos acender o da pessoa ao  lado para lhe dar. Fumamos no plural e em conjunto. É comovente. Partilha-se. Nicotina essencialmente. Pensado no caso, vejo agora como me sentia vazia com pessoas que não fumavam. Só tive duas. E não sei se por acaso ou porque sim, em ambos os casos, havia pressa em sair da cama. Para fazer qualquer coisa. Pois. Não fumavam. Nunca lhes perguntei como resolviam o problema de não fumar. Não me ocorreu. Compreendo-me. Estava a fumar. A fazer uma declaração de amor ao fumo que me saia pela boca e subia até aos olhos. Observava o fumo enlevada. Claro que fazia sempre aquela observação. "Ouve lá, isso de saltar da cama é estranho". Mas nem  ouvia bem as respostas. Por isso não me lembro. Não sei o que farão os não fumadores depois de se virem. O meu estado de graça no período pós é tal que compreendo tudo aquilo que nem estou a ouvir.

 

Preciso de duas voltas na "Montanha Russa". Porque a primeira só me dá tesão. Logo, levo sempre dois bilhetes na mão para duas voltas seguidas. Mas até dava mais.

 

publicado por Cat2007 às 21:54
Tags:

"A minha frase favorita é a minha quando me sai bem"
pesquisar
 
stats
What I Am
comentários recentes
Sim, de acordo. Algumas pessoas não querem ser dif...
Muitas vezes associamos a busca da novidade à adol...
Ainda tens o prazer de sintetizar fumo pelos pulmõ...
Adoro ver-te no sofá
“Mesmo no mais alto trono do Mundo, estamos semp...
Identifico me bastante. Quando gosto de fazer algo...
Gostei, esta bem explicado.
Posts mais comentados
140 comentários
122 comentários
122 comentários
106 comentários
82 comentários
arquivos
2018:

 J F M A M J J A S O N D


2017:

 J F M A M J J A S O N D


2016:

 J F M A M J J A S O N D


2015:

 J F M A M J J A S O N D


2014:

 J F M A M J J A S O N D


2013:

 J F M A M J J A S O N D


2012:

 J F M A M J J A S O N D


2011:

 J F M A M J J A S O N D


2010:

 J F M A M J J A S O N D


2009:

 J F M A M J J A S O N D


2008:

 J F M A M J J A S O N D


2007:

 J F M A M J J A S O N D


subscrever feeds
Junho 2010
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5

6
7
8
9
10
11
12

13
14
15
17
19

20
21
22
24
26

27
28
29


blogs SAPO