Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

CAFÉ EXPRESSO

"A minha frase favorita é a minha quando me sai bem"

CAFÉ EXPRESSO

"A minha frase favorita é a minha quando me sai bem"

RIO


Cat2007

03.05.11

Fui ver o “Rio”. Gostei. Mais para mais do que para mais ou menos. Faz-se cinema de animação assombrosamente bom nos Estados Unidos da América. Porém, fui para o “Rio” convencida a adorar. E não adorei. Era suposto adorar. O pano de fundo era o Rio de Janeiro. Porque não adorei? A coisa começa logo no inicio. Do filme. Fantástico inicio. Não podia ser melhor. Veja-se:

 

 

 

 

Mas o pior é que podia ser melhor. Mas que raio de música é esta? Parece brasileira. Tanto que as aves dançam perfeitamente num gingado de samba inconfundível. Está lá a bateria… a energia. Mas falta… Ah, a melodia não é autêntica! É americanóide. Empobrecida, portanto. A melodia falsa estraga a energia autêntica. Desde quando é permitido alterar o excelente para agradar a quem não tem o desejo de alcançar uma determinada dimensão cultural para além da sua própria? Falo do público americano.

 

Depois o filme prossegue e é mais do mesmo. Bom. Mas pouco brasileiro. Os brasileiros não são brasileiros. Está bem. Uma produção americana. Os americanos americanizam. Tudo o que podem. E o que não podem. Compram os monumentos dos outros para os plantarem nos jardins das suas gigantescas mansões. Como se fosse a mesma coisa. Nada a fazer. Não conseguem fazer melhor. Os americanos.

 

Muito ao meu estilo de quem está quase sempre a arriscar cair da ignorância abaixo, só a posteriori fui ver quem era o director do filme. “Carlos Saldanha!!! Quem é este tipo?. Fez a Idade do Gelo? Mas eu adorei a Idade do Gelo!” Carlos Saldanha é brasileiro. Nem mais nem menos. É brasileiro. E fez o “Rio”. Mas como? Não sei. Preciso de tempo para pensar. Entretanto, eis a prova:

 

 

 

Pronto. Vi e ouvi atentamente. E já pensei. Tenho a minha resposta. Carlos Saldanha é um brasileiro que parece esquecido do melhor do seu Brasil. Não sente o Rio. Olha para a cidade como um americano gosta de a imaginar num cartão postal. Fez um filme que, como ele diz "tem o Brasil como fundo de pano". A cidade "ficou muito legal". Teve "Pão de Açucar, teve Corcovado". O que não teve foi verdadeira "brasilidade", como o próprio prometia. Paciência!

 

A LIÇÃO DE AMOR


Cat2007

03.05.11

 

 

Vi este texto. E vi neste texto as palavas. Sentir acontece. Fazer sentir também. Saber fazer. Saber amar... pensei que não havia. Afinal a substância do amor reside na generosidade pura. Tenho inveja. Porque afinal existe uma pessoa que sabe naturalmente amar assim:

 

"Se olhássemos para a jaula sem sermos vistas, perceberiamos uma ninhada de ratos apenas. Saberíamos não serem ratos porque a mãe era um cão. Mas não. Quando olhámos fomos vistas, ela foi vista.Uma mulher alta e com um cabelo forte e alourado foi vista por uma miniatura preta de olhos gigantescos e suplicantes. A nossa ideia era a de aquilo ser um cão, mas não era bem. Era o tipo de coisa que encontraríamos num passeio humanitário à India, uma das economias emergentes, bem sei, mas com milhões de desgraçados que desconhecem semelhante classificação. Se calhar o Bangladesh seria mais indicado. Fica a India pela compleição física daquilo cão. Este cão era um desses desgraçados de algumas ruas de Nova Deli, em bebé. Um olhar que nos condenava a querer alimentá-lo para sempre. É difícil, a alguém que o veja, safar-se de semelhante sentimento mas para ela foi ligeiramente diferente. Era nitidamente um reencontro. Uma situação familiar como se sempre tivessem esperado um pela outra. Já se conheciam há anos, havia fortes motivos para esta sensação, todos lógicos e nenhum esotérico. Ela, muito alta tinha umas mãos naturalmente grandes e eu juro que quando nele pegou, a mãe cão terá sido esquecida de imediato pelo seu filho. "Os cães foram feitos para viverem com as pessoas, somos as pessoas deles", pensei ao mesmo tempo que olhei para ela com aquilo cão ao colo. E ela. Vi-lhe um sorriso e uma luz no rosto que não tinha visto antes. Havia nela um alívio de amor fratenal, filial...pessoal. O mundo inteiro podia estar no perigo de terminar em estrondo, aquela miniatura ía ser o sobrevivente naquele colo, o mais protetor que vi na vida. Tudo nela era vontade de salvar e de dar alegria apesar de nos dizer e contar que o cão havia de ter um feitio do arco da velha, de ser um egocêntrico intragável e de cair para o lado com merdas que só ele ía sentir tal era a fragilidade do pobre desgraçado. Pois era, mas ela dizia-nos o inferno do cão com a expressão preocupada mais radiante do mundo. Aturá-lo? Como não. Adorá-lo também.Tudo isto por causa de um cão? Sim, sim, sim.  Será preciso muito mais para tirar a limpo a capacidade de amar numa mulher?  Não, neste caso não é. Bastou este reencontro para haver epifania e revelação, comigo foi assim. Aquela luz afetuosa não é dela, é ela. Talvez por ter reconhecido ali uma felicidade antiga, talvez por ter tido um deja vú, talvez por ter sido percebida por um cão bebé. Credo, foi das sensações de amor mais cristãs que me aconteceram, o amor pelo amor e logo para mim, uma ateia tão cristã.  Eu vi aquela coisa com ar de desgraçado indiano. Vi-o pela primeira vez. Mas para ela foi um reencontro. Será o melhor amigo desta mulher assim ele nos aceite para suas pessoas. Ela já lá consta que eu vi o parvo com um ar tristissimo a abanar a cauda, no pescoço dela, aninhado."

 

Talvez para mim seja mais fácil perceber. É por causa do cão.

 

stats

What I Am

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Em destaque no SAPO Blogs
pub