CAFÉ EXPRESSO

Setembro 25 2012

Consta que o ambiente que se vive no edifício onde trabalho está temperado pelo vicio da intriga. Disseram-me isto recentemente. Não sabia. Sinceramente. Sem ironias. Não sabia mesmo.

 

A ingenuidade em mim é uma endemia. E isto é um aspeto da questão de não saber. O outro ponto tem a ver com uma espécie de hábito de querer  “passar por fora do dia a dia”. Faço-o  por timidez e desinteresse.  A timidez não se explica. O desinteresse é dirigido ao coletivo. Olhando para o conjunto das pessoas, não estou interessada. Por outro lado, pode suceder que me interesse por uma ou outra, olhando para o individuo. Tenho interesse pelo individuo. Foi aliás numa conversa individual que fiquei a saber. Das intrigas.

 

Em resumo, não dou conta dos intriguistas porque finjo que não vejo as pessoas e não vejo nas pessoas o que elas fingem ser. Ando neste meu dia a dia apartado e assim parece que tudo corre bem.  Por isso a noticia caiu-me mal.  As coisas deixaram-me de ser o que me pareciam. Afinal saltitam por aí pró-terroristas pequeninos amadores. Pessoas empenhadas em prejudicar outras numa área sagrada. A da subsistência física e moral de cada um. 

 

Metade da nossa vida acordada passa-se no trabalho. A outra metade depende do salário e de alguma realização profissional que a espaços se vá conseguindo.  Atentar contra isto é tão grave que está tipificado no Código Penal. Está tipificado de facto. Mas cede por falta de prova.  


Regra geral, a intriga laboral não se deixa expor. Faz-se de pequeninos ditos, de ligeiros “à parte”, de encenações afetivodepressivas e superficialíssimas colaborações entre idiotas, invejosos, medíocres, inseguros ou frustrados. O facto danoso nunca é  realizado de uma só vez. É algo que se vai construindo muito devagar com o tempo. Igualmente, o dano também não aparece com os contornos muito nítidos. O dano é refletido no desinteresse e na desmotivação com que cada um de nós dá por si a sentir antes de enfrentar cada dia de trabalho.


De facto, eu só não sabia porque não queria. Ver-me a sentir. Como os outros.


publicado por Cat2007 às 21:15
Tags:

"A minha frase favorita é a minha quando me sai bem"
pesquisar
 
stats
What I Am
comentários recentes
Levar as coisas com calma e respirar pelo meio é u...
Subscrevo inteiramente o que aqui é dito. Hoj...
Sim, de acordo. Algumas pessoas não querem ser dif...
Muitas vezes associamos a busca da novidade à adol...
Ainda tens o prazer de sintetizar fumo pelos pulmõ...
Adoro ver-te no sofá
“Mesmo no mais alto trono do Mundo, estamos semp...
Posts mais comentados
140 comentários
122 comentários
122 comentários
106 comentários
82 comentários
arquivos
2018:

 J F M A M J J A S O N D


2017:

 J F M A M J J A S O N D


2016:

 J F M A M J J A S O N D


2015:

 J F M A M J J A S O N D


2014:

 J F M A M J J A S O N D


2013:

 J F M A M J J A S O N D


2012:

 J F M A M J J A S O N D


2011:

 J F M A M J J A S O N D


2010:

 J F M A M J J A S O N D


2009:

 J F M A M J J A S O N D


2008:

 J F M A M J J A S O N D


2007:

 J F M A M J J A S O N D


subscrever feeds
Setembro 2012
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10
12
15

18
20
21
22

23
24
26
27
28
29

30


blogs SAPO