CAFÉ EXPRESSO

Outubro 03 2016

Teresa saiu de casa. Tinha urgência em falar com Madalena.

Madalena: Querida, então? Contaste-lhe?

Teresa: Não. Tive antes uma surpresa. Ela anda com a Joana, como eu temia. Confessou-me tudo.

Madalena: Ela contou-te isso? A que propósito?

Teresa: A que propósito? Com o mesmo propósito que eu lhe ia contar. Para se assumir. Só que eu não lhe contei nada. Não pude.

Madalena: Não pudeste? Mas que melhor oportunidade tu podias ter?

Teresa ignorou o que Madalena disse.

Teresa: Diz-me, Madalena, o que sabes tu desta história? A Joana não te contou nada?

Madalena: Teresa, o que importa isso?

Teresa: Importa tudo. Importa que tu não me tenhas mentido.

Madalena: Lésbica, Teresa. A tua filha é lésbica como tu és. É o que sei, Teresa.

Teresa não se conteve. Levantou a mão e deu-lhe uma estrondosa bofetada na cara. Depois gritou-lhe.

Teresa: Estás proibida de me provocar mais. Quero que te cales já com essas merdas. Traidora!

Madalena: Quero lá saber o que tu queres. Mulher estúpida.

Madalena tinha uma mão na face que ardia.

Madalena: Tu não te assumiste perante a tua filha porque não quiseste. E agora que ela te contou estás cada vez mais transtornada. Sua homofóbica ridícula! Tu não amas ninguém. De mim o que tu queres é sexo. É tudo o que tu queres.

Teresa agarrou-a pelos dois braços e encostou-a à parede, metendo-lhe as pernas entre as pernas. Ficaram com as bocas muito próximas. Madalena virou a cara para o lado.

Madalena: Deixa-me, idiota.

Teresa empurrou-a mais contra a parede pela zona do ventre.

Teresa: Não deixo. Porque é disto que tu gostas. É só disto que tu gostas. Tu também não amas ninguém. Basta ver a tua história de vida. Até a desgraçada daquela miúda Joana tu andaste a comer.

Madalena: Larga-me!

Teresa encostou o corpo todo. E forçou o beijo. Madalena não cedeu. Teresa mordeu-lhe o pescoço. Madalena gemeu. Teresa voltou a morder. E a pressionar-lhe o ventre. Madalena virou a cara desfeita para ela e ofereceu-lhe a boca trémula. Teresa largou-lhe os braços e agarrou-lhe a cara com as duas mãos. As línguas misturaram-se. Ali de pé, foram-se livrando das roupas inoportunas. Teresa entrou dentro dela com pressa. Tomou-a com fúria. E insistiu vezes infindas. Até ela se partir. Teresa sentiu-a desfalecer. A cair. Segurou-a e foi caindo com ela muito devagar. Ficaram no chão deitadas juntas. Em silêncio.

publicado por Cat2007 às 23:19
Tags:

Outubro 03 2016

Teresa indignou-se ainda mais.

Teresa: Tu não tens noção. Uma relação perfeita. Já agora para a vida. Não? Isso não existe nem com um homem.

Clara: Não se trata do género. Trata-se de uma mulher porque aconteceu assim e…

Teresa não ouvia.

Teresa: Pensas então que podes escolher ter uma namorada e que tudo vai correr muito bem. Já viste como é o mundo. Achas realmente que te vão deixar viver assim? Que serás respeitada no emprego (quando tiveres um), nas relações sociais… Ou vais andar escondida como os ratos?

Clara: Mãe, eu amo a Joana. E não deixarei de ser coerente com este sentimento perante a vida. As coisas hão-de resolver-se à medida que forem surgindo.

Teresa: Amor. Que amor? Tens a lata de falar de amor quando te referes a um espécie de sentimento que põe em cheque a tua felicidade? Tu és uma criança, Clara. Não sabes o que é o amor.

Fez uma pausa e depois prossegui em tom calmo e sério.

Teresa: Olha, filha, tens que arranjar coragem para fazer o que é devido. E eu estou aqui para te ajudar.

Clara: E o que é devido, mãe?

Teresa: Esquecer tudo. Pôr a Joana para trás das costas. E viver daqui para a frente com normalidade.

Clara riu-se contidamente.

Clara: A normalidade. Mão, o que é normal é o que me faz sentir bem. Mas deixe-me que lhe diga que no princípio pensei exatamente assim. E até acreditei brevemente nessas coisas. O problema está no sentido que as coisas não fazem. Se a questão fosse apenas a de pôr a cabeça a pensar, quase tudo se resolveria. Mas o facto é que me bastou apenas vê-la para tudo mudar. Para, do confronto de umas realidades com outras, os meus raciocínios ficassem esmagados pela sua vacuidade imanente.

Teresa continuava a tentar não ouvir o que a filha dizia. Porque sobretudo não queria ver Clara como outra filha. Aquela que certamente não desejava e liminarmente rejeitava. Porque aquela filha punha-a em causa. A si própria e lhe exaltava a maldita culpa. Da culpa Teresa pensou que conseguiria livrar-se sempre. Sacrificara toda a sua vida para se livrar da culpa.

Teresa: vens falar-me de amor. Do amor entre duas meninas.

Teresa falava com raiva.

Clara: Mãe, há aqui qualquer coisa que me escapa. Afinal o que é que eu lhe fiz?

Teresa: Olha, Clara, não vale a pena continuarmos a argumentar uma com a outra.

Teresa não tinha recursos emocionais para dar suporte à posição fundamental que defendia. E isto sucedia pela primeira vez na vida das duas.

Teresa: Eu não consigo patrocinar esta estória lamentável.

Clara: Quer dizer que…

Teresa: Quer dizer que não vale a pena. Não quero que me voltes a falar dessa Joana. Daqui para a frente é com se ela não existisse. Tu fazes o que quiseres. Mas não tens o meu apoio nem solidariedade. E vais poupar-me a conversas.

Foi desta forma que Teresa rematou a conversa. Logo em seguida, mexeu os pés. Ia retirar-se. Porém, parou porque lhe ocorreu algo. Clara olhou para ela com alguma expetativa. Mas Teresa não disse nada, afinal. Saiu da sala decidida. Levava a cabeça bem levantada em conformidade com o seu habitual desenho de altivez. Tudo completamente desadequado à situação.

Clara segui-a com o olhar. “Mas rejeitar, não me rejeitou”.

publicado por Cat2007 às 14:16
Tags:

"A minha frase favorita é a minha quando me sai bem"
pesquisar
 
stats
What I Am
comentários recentes
Levar as coisas com calma e respirar pelo meio é u...
Subscrevo inteiramente o que aqui é dito. Hoj...
Sim, de acordo. Algumas pessoas não querem ser dif...
Muitas vezes associamos a busca da novidade à adol...
Ainda tens o prazer de sintetizar fumo pelos pulmõ...
Adoro ver-te no sofá
“Mesmo no mais alto trono do Mundo, estamos semp...
Posts mais comentados
140 comentários
122 comentários
122 comentários
106 comentários
82 comentários
arquivos
2018:

 J F M A M J J A S O N D


2017:

 J F M A M J J A S O N D


2016:

 J F M A M J J A S O N D


2015:

 J F M A M J J A S O N D


2014:

 J F M A M J J A S O N D


2013:

 J F M A M J J A S O N D


2012:

 J F M A M J J A S O N D


2011:

 J F M A M J J A S O N D


2010:

 J F M A M J J A S O N D


2009:

 J F M A M J J A S O N D


2008:

 J F M A M J J A S O N D


2007:

 J F M A M J J A S O N D


subscrever feeds
Outubro 2016
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9

22




blogs SAPO