Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

CAFÉ EXPRESSO

"A minha frase favorita é a minha quando me sai bem"

CAFÉ EXPRESSO

"A minha frase favorita é a minha quando me sai bem"

TAMPA


Cat2007

29.01.09

 

 

 

 

Um dia estive muito carente porque acabava de sair dos escombros de um castelo de emoções meio foleiro que inventei à pressa. Estava na estrada a sacudir o pó, e apareceu por acaso alguém que foi a primeira pessoa que apareceu. Foi a primeira que apareceu, mas isso não tem importância nenhuma para o que aconteceu depois. Porque me apaixonei dolorosamente, sem esperar.

 

 

Foi uma paixão carnal sem ser altamente sexual. Foi um caso de intensidade extrema porque ocorreu uma combinação epidérmica especial. Aconteceu-me uma necessidade permanente e incontornável de encostar a minha pele naquela pele. De deixar correr a sensibilidade. E de não querer sair dali nunca. Assim os breves, porque necessários, afastamentos que ocorriam eram tão dolorosos como o ardor dos pedacinhos de pele que se arrancavam no processo. 

 

Um dia, contra a minha vontade, e a despeito da minha necessidade profunda,  a minha pele foi arrancada daquela pele. À força, totalmente e de vez. Creio que isto aconteceu porque tinha mesmo que ser assim. Não sei bem. Nem me interessa. Para o que importa, a dor do ardor ficou-me na carne pelo tempo em que aquelas feridas enormes levaram a sarar. Chorei um bocado. Por vezes choro.

 

Ainda hoje sinto alguns reflexos desse modo de sentir aquela dor. É natural. São as cicatrizes, feridas fechadas.

 

Durante algum tempo, custou-me compreender bem que este acidente foi apenas um episódio da vida que passou. E tantas paixões me consumiram depois desta!

 

 

Por outro lado, as tampas existem. Servem para tapar tachos e panelas, por exemplo. Têm uma certa utilidade. E é esta a importância das tampas na vida, se o ego não é distorcido. Concedo, no entanto, que as tampas não deviam ser atiradas quentes ou cheias de tinta plástica  à cara das pessoas. De todo o modo, as mesmas pessoas também não deviam por a cara a jeito para levar com uma tampa em cheio. Seja como for, as tampas não têm interesse nenhum.

 

Hoje eu não invento castelos. Contruo-os. Pedra por pedra. Com todas as pedras que fui recolhendo no caminho que percorri até aqui. Os meus castelos já não são pessoas. E já não são castelos, mas só um. É a minha vida. Só apanhei pedras. Deixei as tampas. No meu castelo moro com quem amo profundamente. Ainda estamos a construir. E este sentido daquilo que deve ser comum é que é a minha grande novidade actual

 

Comentar:

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.

stats

What I Am

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Em destaque no SAPO Blogs
pub