Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

CAFÉ EXPRESSO

"A minha frase favorita é a minha quando me sai bem"

CAFÉ EXPRESSO

"A minha frase favorita é a minha quando me sai bem"

A NORMA DE ALMODOVAR


Cat2007

21.11.11

 

 

 

 

Um homem que mudou de sexo obrigado na base da violência. Um rapaz todo excitadinho com as meninas que parecia ter grande apreço pelo membro mobilizador dos seus instintos mais primários - logo e depois da fome e da sede extremas, claro. Bom, ficou uma miúda giríssima tem de se dizer.

 

Entre outras coisas que aprecio nele, Pedro Almodovar é o rei do insólito. Um conjunto de freiras “agarradas” à heroína, o que seria? Um enfermeiro que engravida no hospital uma doente em coma, o que seria? Um homem marcadamente heterossexual assume a identidade do irmão transexual e farta-se de apanhar no “traseiro” para “subir na vida artística", o que seria? São os inabituais e inesperados passados de Almodovar de que me estou a lembrar agora. Mas creio que em qualquer um aqui não mencionado se verifica a existência do insólito.

 

Por outro lado, o toque de brilhantismo de Pedro vem também do facto de não ser um fazedor de filmes de ficção científica, de terror ou de outro qualquer género do fantástico ou da fantasia balofa que me convence em definitivo a não ir ao cinema.

 

E, para não fugir à regra, em “A pele que habito”, o realizador espanhol trouxe mais do mesmo do que a gente gosta, admitindo-se que haja quem não goste. Um homem que mudou de sexo obrigado na base da violência. Um rapaz todo excitadinho com as meninas que parecia ter grande apreço pelo membro mobilizador dos seus instintos mais primários - logo e depois da fome e da sede extremas, claro.

 

Bom, ficou uma miúda giríssima tem de se dizer.

 

Antes de sair para o rapto que havia de originar a mudança radicalíssima da sua vida, insistiu, creio que pela milésima vez, na possibilidade de “saltar para cima” da lésbica que trabalhava com ele na loja da mãe - dele. Não deu. Apanhou a “tampa” número “n” e lá foi convencido que um dia ainda havia de conseguir.

 

E com efeito… Regressado seis anos depois – porque não pôde fugir antes - provocou finalmente aquele “flash” na “gaja”. Os olhos dela brilhavam intensamente sobre os de… Norma. Que porém tratou logo de explicar quem era. Deu detalhes que só ele, a Norma, podia saber. A mãe e a outra não puderam contornar a verdade. Norma era ele. Pensavam que estava morto. A mãe ficou atordoada. A lésbica, talvez estúpida,  pareceu-me com cara de boas expectativas.

 

Bom, mas o sumário do insólito. Um homem perfeitamente confortável no âmbito da sua biologia e satisfeito com a sua orientação heterossexual é transformado em mulher – numa mulher muito bonita ainda por cima -, o que seria?

 

Seria aparentemente uma tipa a quem a maior parte dos homens gostaria de “saltar para cima” – assim como, por exemplo, ele outrora com a lésbica. Assim, a vida amorosa deste homem deverá concretizar-se em avanços com lésbicas ou les-curiosas e fugas e recuos relativamente aos homens atraídos.

 

De facto, não é mesmo a forma que demarca o conteúdo. Mas a essência. Como se tivesse nascido com o sexo errado, este tipo tem de operar. A ideia da necessidade de reverter o processo não chocará ninguém e parece ser o caminho mais certo. Presumo que não haverá muito quem discorde de mim. E quero crer que todos percebem onde quer Almodovar chegar com isto.  
 

Por outro lado, a Norma de Bellini, com libretto de Romani, também é uma obra sobre o insólito. Trata basicamente da dor de cotovelo e das coisas que as pessoas são capazes de fazer por causa disso. A trágica heroína começa por ameaçar matar os seus próprios filhos. Depois desiste mas lá acaba por conseguir um estratagema para morrer queimada com o seu amor. E em síntese, a outra ficou, embora não literalmente, “a arder”.

 

Acredito que Almodovar se ande a inspirar nestas coisas. Basta atender ao mais que o filme nos diz. Uma neura aqui, um homicídio ali, um processo de loucura acolá… É a Norma de Bellini num puzzle muito difícil de montar. Sobretudo porque também lá está a genuína Norma de Almodovar. Bravo! Bravo! (de pé).

 

6 comentários

Comentar post

stats

What I Am

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.