CAFÉ EXPRESSO

Junho 19 2012

 

 

 

Morreu o Miguel Portas, o Bernardo Sassetti, o Quim. E morreu a minha mãe. Por esta ordem cronológica. Se não fosse a cronologia diria apenas: morreu a minha mãe. Se não fosse o cancro diria apenas: morreu o Bernardo Sassetti - os demais estariam vivos. E eu não estava assim.

 

Mas falo de todos por causa da morte que têm em comum e a proximidade do acontecimento entre todos. Na verdade, falo de todos para não me focar na pessoa que me importa. A presença que me desapareceu. Porque só me faz sentido falar dela. Ou ficar em silêncio a falar dela. Mesmo assim, temo as palavras que uso. Além de que não tenho muitas palavras para usar.

 

Talvez isto não seja boa ideia. A minha mãe era a minha mãe. Figura não pública cuja morte só interessa a quem a sente e a quem pouco sente mas também foi ao velório e ao funeral. Não sei se é correto escrever este texto. Também não importa, fica entre o escrito e o por escrever. É melhor assim. O Quim também era um desconhecido. Era pai. Morreu sozinho em casa. Tinha bom coração e uns olhos azuis muito bonitos. Tenho muita pena.

 

Não vou dizer muitas coisas. Não posso. Apenas sublinhava as seguintes palavras: solidão e indiferença.

 

Neste último mês (foi quando se soube da doença) habituei-me a correr pelo dia para chegar ao hospital sempre e cada vez mais cedo para sair sempre e cada vez mais tarde. Todos os dias aquém e além da hora da visita - da uma às sete. Eu e o meu irmão das onze às nove. Depois o meu pai - que só soube quando não foi possivel a ninguém esconder mais. Sei que se eu não podia estar o dia todo, corria, acelerava, angustiava. Quando chegava sentia-me feliz. A solidão própria de quem está num processo de luta física contra a morte e está a perder passava-lhe um bocadinho. Creio que então era substituída pela dor de quem sente que está a abandonar os que ama e não pode. Num dia desses de corrida aconteceu que a Sara Tavares cantou "eu sei". E eu chorei muito e compreendi o que a minha mãe queria dizer.

 

No dia 2 de junho estava morta de manhã. Cheguei para a visita. O cancro chegou, instalou-se e varreu-a num ápice. Quando foi a hora de sair junto da sua cama no hospital disse-lhe o que lhe dizia todos os dias e era verdade: “mãe eu já venho”.

 

 

publicado por Cat2007 às 17:15
Tags:

fizeste bem em escrever o texto. foi correto.
Catarina a 19 de Junho de 2012 às 17:51

Também foi um bocadinho um alívio. Porém... não queria ofendê-la. Nem à minha família. Acho que consegui. Se tu dizes.
Cat2007 a 19 de Junho de 2012 às 17:53

sim concordo, se eu o digo é o suficiente. não é possível alguém da tua família ficar melindrado com o texto: nem o marido nem os filhos e nem eu.
o texto é bonito e triste e o texto é forte como toi.
Catarina a 19 de Junho de 2012 às 18:00


Obrigada. O que importa mesmo é que o desaparecimento dela não se torne numa mera banalidade porque resolvi dar-lhe aqui publicidade. Espero que não. <3
Cat2007 a 19 de Junho de 2012 às 18:06

caramba tás mesmo traumatizada com as cenas mediáticas. não há banalidade numa única virgula deste texto  e em nenhuma hipótese terrena. e nem que fosse por ser sobre a tua mãe e tu e ela, dificilmente daria para ser banal. não deu aliás.
Catarina a 19 de Junho de 2012 às 18:13

Pois! Thank you.
Cat2007 a 19 de Junho de 2012 às 19:23


Há muito tempo que não vinha ao seu blog e verifico no seu último post que perdeu a sua mãe.

Só posso desejar-lhe tudo de bom para si!

Eduardo
jeduardo13 a 20 de Junho de 2012 às 14:14

Muito obrigada, Eduardo.
Cat2007 a 20 de Junho de 2012 às 14:55

Beijinhos Sis, gosto muito de ti e penso muitas vezes em ti...continuas a escrever tão bem!
A dor de alguem que nos é querido nunca nos abandona mas as recordações também não...
beijinhos

 
Rita a 22 de Junho de 2012 às 15:12

E depois da dor fica um vazio com que temos que aprender a lidar. Beijinho, sis. Thank you.
Cat2007 a 22 de Junho de 2012 às 17:40

Só agora vi .... Um beijinho.
Sara a 26 de Junho de 2012 às 14:23


Obrigada, miuda. :)
Cat2007 a 26 de Junho de 2012 às 14:52

"A minha frase favorita é a minha quando me sai bem"
pesquisar
 
stats
What I Am
comentários recentes
Sim, de acordo. Algumas pessoas não querem ser dif...
Muitas vezes associamos a busca da novidade à adol...
Ainda tens o prazer de sintetizar fumo pelos pulmõ...
Adoro ver-te no sofá
“Mesmo no mais alto trono do Mundo, estamos semp...
Identifico me bastante. Quando gosto de fazer algo...
Gostei, esta bem explicado.
Posts mais comentados
140 comentários
122 comentários
122 comentários
106 comentários
82 comentários
arquivos
2018:

 J F M A M J J A S O N D


2017:

 J F M A M J J A S O N D


2016:

 J F M A M J J A S O N D


2015:

 J F M A M J J A S O N D


2014:

 J F M A M J J A S O N D


2013:

 J F M A M J J A S O N D


2012:

 J F M A M J J A S O N D


2011:

 J F M A M J J A S O N D


2010:

 J F M A M J J A S O N D


2009:

 J F M A M J J A S O N D


2008:

 J F M A M J J A S O N D


2007:

 J F M A M J J A S O N D


Junho 2012
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2

3
4
5
6
7
8
9

10
11
12
13
14
15
16

17
18
20
21
23

30


blogs SAPO