CAFÉ EXPRESSO

Setembro 20 2016

O carro da mãe parou à porta da faculdade. Depois de se despedir de Teresa, Clara ficou uns instantes imóvel em frente à grande entrada. A olhar. A sensação era de que o fazia pela primeira vez. Tal como as ruas da cidade por onde veio passando desde casa, as cores, as formas e a dimensão dos espaços estava definitivamente alterada. Embrenhou-se no edifício. A cabeça começou a pairar pelos longos corredores que vagarosamente percorria cá em baixo. O raciocínio separava-se de si e colava-se aos tetos altos e distantes. Foi às aulas. Viu-a muito depressa dentro da sala. Não queria vê-la. Tentou abrir voluntariosamente o espírito a tudo o que se dissesse por lá durante as próximas duas horas. Fingiu pois que nada lhe era mais importante do que as teorias ali evocadas. Como esperava, conseguiu apenas a sensação de alienação agoniativa de quem está demasiado cheio de todos os pensamentos. Os que lhe vêm automaticamente, o que se impõe e aqueles a que se obriga para fugir dos primeiros. Aguentou as duas horas e não aguentou mais. Não poderia estar na aula seguinte. Viu-a depressa mais uma vez. Joana. Afastou-se. Estava a fraquejar. Por isso ficou com medo. Outra vez se via a correr para longe dela e das pessoas. Os pensamentos que a acompanhavam gravitavam agora muito cá por baixo, circulares. Mesmo por cima da cabeça. Embora o teto estivesse como sempre muito lá no alto. Porém, eles, os seus pensamentos, só subiriam se fossem leves. E não eram. Procurou um lugar que lhe concedesse uma possibilidade credível de solidão. Parou à porta da casa de banho menos usada de todas. Entrou e dirigiu-se decidida às torneiras fechadas. Abriu dois jatos de água. Encharcou a cara. E o chão. Depois deixou-se ficar ali com os cabelos compridos molhados e a roupa. Estava só. Estava melhor. A angústia que lhe ressequia o peito abrandara pelo efeito da água fria. Tinha os olhos cerrados. O queixo levantado em direção ao teto. A cabeça descansada contra a parede fria onde igualmente repousavam os braços pesados. Clara ignorou a porta que se abriu. Manteve a postura. Por instantes, não se importaria com quem entrasse. Manteve os olhos fechados. Estranhou depois o silêncio. Ninguém dizia nada. Decidiu abrir os olhos. Manteve-os ainda no chão. Ajeitou o corpo e por fim lá levantou a cabeça. No fim do movimento sentiu-se trespassada. Como se uma lâmina muito fina e bem afiada lhe atravessasse o tronco pelo estômago. Assim estava paralisada. Apenas o sangue lhe saltava nas veias. Foram brevíssimos mas intensos estes momentos de rigidez. Impelida a encara-la pela raiva súbita. Abriu-lhe uma expressão feroz. Joana baixou de imediato a cabeça. Clara deixou-se iludir por este gesto de aparente fragilidade, sentindo-se ligeiramente reforçada. Mas Joana levantou rapidamente a cabeça e já não saiu com os olhos. Recuperara a posição e pendurava agora Clara no seu olhar. No momento azul-cinza. Clara baixou. Manteve apesar de tudo a posição da cabeça mas mudou a dos olhos. Passou a olhar de lado como um bicho receoso. Joana sorriu-lhe com candura.

Joana: Eu preciso de falar contigo.

Clara virou os olhos para ela. Achou que nunca lhe tinha ouvido assim a voz. Combinava tão perfeitamente com aquele sorriso.

Clara: Para quê?

Joana: É que…

Joana calou-se, deixando cair entre elas um silêncio mais pesado do que as poucas palavras o tinham sido até então. Clara pensava que a sua decisão de escolher o vazio nada tinha a ver com os desejos de Joana. Muito provavelmente estava ali para pedir desculpa. E, talvez, falar-lhe de Madalena. Mas isso não importava, Clara escolhera entre a impossibilidade de gostar uma mulher e o vazio que significava viver sem esse afeto. De qualquer das maneiras, Joana não a queria, pelo que verdadeiramente também não existia uma escolha. Clara apaixonara-se por Joana logo no início. Mas apenas teve consciência do facto no cinema. Ali em frente a ela começava a sentir pena de si própria. Joana aparentava estar sóbria. Clara sentiu-se humilhada.

Clara: Olha, menina, eu tenho que ir andando.

Queria sair dali imediatamente e deu um passo em frente, aproveitando a força da sua declaração. Mas Joana movimentou-se em direção à porta e não se desviou. Ficaram próximas. “Tocar-lhe, não”, pensou Clara. Ficou pois parada no gesto que tinha começado. E as palavras que proferira foram sós, desaparecendo de seguida. Apenas as palavras sem os passos. Ela de facto não fora. Ficara para ali abatida.

Joana: Temos mesmo que falar.

Clara: Joana, por favor. Eu sei o que tu vens dizer. Não te preocupes. O que se passou no cinema não foi nada de importante. Desculpa ter desaparecido daquela maneira. Somos amigas e nem poderíamos ser outra coisa. Tu não queres e eu também não. Claro que fiquei um bocado confusa. E é mesmo por causa disso que devemos dar um tempo. A nossa amizade, os termos em que ela corria, foram alterados.

Clara falava com um ar cansado.

Joana: Queres deixar de falar comigo?

Clara: Não. Quero deixar de fazer programas contigo por uns tempos. Quero que deixemos de andar tão juntas como andávamos. Vamos ser simplesmente colegas de turma até isto se desvanecer.

Joana olhou-a tristemente.

Joana: Já devia estar à espera disto.

Clara: Não podemos continuar como se nada se tivesse passado.

Joana: Pois não. Tens razão.

Desviou-se da porta. Clara mexeu-se devagar até passar por ela. Uma vez lá fora apressou-se a sair dali.

Joana ficou encostada à porta a vê-la ir.

publicado por Cat2007 às 22:55
Tags:

Isto com paragem e interrupções entre capítulos começa a ser doloroso. Não digo o resto. A expetativa faz bem. Mas esta agonia tão jovem....e depois?
Catarina a 20 de Setembro de 2016 às 23:09

"A minha frase favorita é a minha quando me sai bem"
pesquisar
 
stats
What I Am
comentários recentes
Sim, de acordo. Algumas pessoas não querem ser dif...
Muitas vezes associamos a busca da novidade à adol...
Ainda tens o prazer de sintetizar fumo pelos pulmõ...
Adoro ver-te no sofá
“Mesmo no mais alto trono do Mundo, estamos semp...
Identifico me bastante. Quando gosto de fazer algo...
Gostei, esta bem explicado.
Posts mais comentados
140 comentários
122 comentários
122 comentários
106 comentários
82 comentários
arquivos
2018:

 J F M A M J J A S O N D


2017:

 J F M A M J J A S O N D


2016:

 J F M A M J J A S O N D


2015:

 J F M A M J J A S O N D


2014:

 J F M A M J J A S O N D


2013:

 J F M A M J J A S O N D


2012:

 J F M A M J J A S O N D


2011:

 J F M A M J J A S O N D


2010:

 J F M A M J J A S O N D


2009:

 J F M A M J J A S O N D


2008:

 J F M A M J J A S O N D


2007:

 J F M A M J J A S O N D


Setembro 2016
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3

4
5
6
7
8
9





blogs SAPO