CAFÉ EXPRESSO

Setembro 26 2016

Passou o Natal e chegou janeiro. Joana regressou do Porto e Madalena de Bragança. Teresa e Clara emergiam também do recolhimento familiar em que tinham estado toda a semana passada e onde foram felizes como sempre na Alameda. Porque estavam sem elas e uma com a outra. Como outrora. A paixão e a mentira colaboram. Por vezes colaboram. E quando assim é as almas andam pesadas, os espíritos confundidos e os corpos ficam demasiado doridos e indolentes. Em janeiro é costume ter esperança de que alguma coisa vá acontecer. De que algo vá mudar para melhor. É sempre assim no começo de um novo ano. Joana compreendia bem que não poderiam viver assim. A fazer amor às tardes e a viver apenas de angústias antes e depois. Teresa reconhecia que não poderiam continuar só a fazer amor. Clara desejava que a mãe a compreendesse e aceitasse. Madalena ansiava pelo dia em que lhe fosse permitido desligar-se de Teresa.

Os reencontros sucederam como o que se aguardava. Embora mais furiosos ainda. Por causa dos afastamentos. As peles rolaram. E rodaram. E colaram. Por fim, as bocas sacrificadas afastaram-se só para respirar um bocadinho e deixar entrar a saudade.

Joana: Até amanhã, amor.

Clara: Até amanhã, meu amor

Madalena: Adeus, querida.

Teresa: Adeus, amor.

E os dias foram passando assim repetidos mas cheios de coisas novas. Como sempre. Tal qual tinha sucedido no ano velho. Costuma ser assim no ano novo. O tempo passa sem que se produzam grandes alterações nas vidas. A menos que se tomem decisões muito sérias.

Teresa: Amanhã é sábado. Quero ir passear contigo amanhã pela tarde. Vamos a Sintra.

Madalena: Vamos a Sintra fazer o quê?

Teresa: Passear de carro. Nunca fomos passear juntas. Tu só queres estar aqui.

Madalena: Sabes bem que eu estou aflita com a tese. E…

Madalena não queria outra vida com Teresa. Basicamente aterrorizava-se com a ideia de serem namoradas.

Teresa: Madalena, não me dês desculpas. Em vez de irmos para a cama amanhã à tarde vamos passear a Sintra.

Madalena: Mas eu prefiro ficar a fazer-te. Não me canso e sinto sempre falta. Tu não? Tu sim. Eu sei que sim. Tu também preferes ficar na cama comigo em vez de ir agora para Sintra.

Teresa: Não.

Madalena: Não? Estou a errar as fórmulas químicas, já vejo.

Teresa: Não. Quero mesmo falar contigo.

Madalena: Então, querias passear e afinal é para termos uma conversa? É assunto sério?

Teresa: Não te armes em parva. Chegou o momento de falarmos sobre nós em termos diferentes do que temos feito. Sem a sombra do passado.

Madalena: O passado está vivo.

Teresa: Não é para discutir esse assunto hoje. É amanhã. Quando formos a Sintra.

Madalena: Vai ser uma conversa igual a mil que já tivemos.

Teresa: Veremos.

publicado por Cat2007 às 19:01
Tags:

"A minha frase favorita é a minha quando me sai bem"
pesquisar
 
stats
What I Am
comentários recentes
Sim, de acordo. Algumas pessoas não querem ser dif...
Muitas vezes associamos a busca da novidade à adol...
Ainda tens o prazer de sintetizar fumo pelos pulmõ...
Adoro ver-te no sofá
“Mesmo no mais alto trono do Mundo, estamos semp...
Identifico me bastante. Quando gosto de fazer algo...
Gostei, esta bem explicado.
Posts mais comentados
140 comentários
122 comentários
122 comentários
106 comentários
82 comentários
arquivos
2018:

 J F M A M J J A S O N D


2017:

 J F M A M J J A S O N D


2016:

 J F M A M J J A S O N D


2015:

 J F M A M J J A S O N D


2014:

 J F M A M J J A S O N D


2013:

 J F M A M J J A S O N D


2012:

 J F M A M J J A S O N D


2011:

 J F M A M J J A S O N D


2010:

 J F M A M J J A S O N D


2009:

 J F M A M J J A S O N D


2008:

 J F M A M J J A S O N D


2007:

 J F M A M J J A S O N D


Setembro 2016
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3

4
5
6
7
8
9





blogs SAPO