Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

CAFÉ EXPRESSO

"A minha frase favorita é a minha quando me sai bem"

CAFÉ EXPRESSO

"A minha frase favorita é a minha quando me sai bem"

"Ó SENHORA DOUTORA"


Cat2007

06.11.16

 
 
Resultado de imagem para discordar
 

Isto é só um desabafo:

 

Porque me incumbiram disso, analisei uma questão que já tinha sido analisada por outrem. Como não concordei com os fundamentos e a proposta, fundamentei e propus de modo diametralmente oposto. Tudo foi levado à consideração superior e colheu o meu entendimento. Agora há que agir em conformidade. E ponto final.

 

Mas não. Não é ponto final porque outrem não se conforma. É já a terceira vez que me aparece no gabinete a dizer que não concorda comigo. E é já a terceira vez que eu tento entender porquê e não percebo. Já lhe disse: “se o senhor doutor não está de acordo, faça o que lhe parecer melhor”. Embora me pareça que ele nada pode fazer. Creio que, enquanto foi tempo, devia ter tratado de estudar melhor o assunto.

 

E é por nada poder fazer que ele não parece disposto a deixar-me em paz. Há ali uma questão que, suspeito, tem a ver com a vaidade. As pessoas estão a trabalhar e envolvem a sua cabeça como se aquilo fosse ali a casa delas. Confundem as emoções. No trabalho estamos para fazer o melhor que podemos e sabemos. Esta é a nossa obrigação. Quando discordei dele, não foi dele que discordei mas do argumentário que utilizou para no fim chegar a uma conclusão inadmissível. Legalmente inadmissível, quero dizer.

 

Com certeza que ninguém gosta de ver o seu trabalho posto em causa. Porém, se é uma desconsideração de cariz técnico-profissional e, sobretudo, se é merecida, o que fazer? Eu não trabalho para chatear ninguém nem para ser melhor do que os outros. Eu trabalho para ser melhor do que eu própria. Todos os dias.

 

Como é que as pessoas põem os seus egos à frente dos seus empenhamentos? O que é que aquela alma quer de mim agora? Sei, sinto, que está a desenvolver um sentimento negativo em relação à minha pessoa. Vê-se perfeitamente a raiva a levar-lhe o sangue ao rosto quando fala comigo. E depois há aquele atirar da testa para cima quando, por exemplo, diz: “senhora doutora não concordo com o ponto X do seu parecer porque nos hospitais blá, blá, blá”. E eu, a sorrir jovialmente, sempre olhando dentro dos olhos dele repondo: “senhor doutor, eu falei com blá, blá, blá”. E ele: “blá, blá, blá, está a mentir”. E eu disse-lhe várias coisas que não posso revelar, sendo certo que ele saiu do meu gabinete todo encarnado a prometer que vai analisar muito bem o que não analisou quando devia, tendo em vista fazer não sei muito bem o quê.

 

Para dizer a verdade, eu simpatizava com este outrem. Que chatice!

 

2 comentários

Comentar post

stats

What I Am

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.