CAFÉ EXPRESSO

Setembro 29 2016

 

Comecei a fumar com 16 anos (um horror, bem sei). No princípio, menos de meia dúzia de cigarros por dia. Assim, fumava tudo o que tinha para fumar na rua. Sem sentir qualquer tipo de necessidade quando estava em casa. Não obstante, andava sempre preocupada com, por exemplo, o cheiro da roupa e dos cabelos. Tinha medo de ser descoberta pelos meus pais. Sobretudo pelo meu pai. Um grande autoritário. Que às vezes me metia medo -  vem a propósito dizer que eu não sabia que o meu pai já tinha sido um fumador inveterado. E que tinha largado o tabaco há cerca de 10 anos. Na verdade, ele fumava cerca de três maços de cigarros por dia, sendo certo que eu nunca o vi fumar.

 

Bom, mas para o que importa, importa dizer que eu não me sentia bem com aquilo. Aquilo da marginalidade. A minha cabeça inconsciente não via onde estava o mal em fumar, pelo que não compreendia porque tinha de esconder. É verdade que sou transparente. E franca. Que detesto viver na mentira. E sobretudo não aguento ter de lidar diariamente com o medo. Assim, cheia de medo fui falar com o meu pai. “Pai, sabe que eu fumo? Não fumo muito mas fumo”. Ele não estava à espera de tamanha frontalidade. Se fosse ele a descobrir, seria o diabo. Porém, como era eu quem contava, ficou um tanto desarmado. “Não digas disparates. Não fumas nada”. E eu: “Fumo, fumo”. E ele: “Então deixas de fumar”. E eu, num atrevimento inusitado: “Mas eu gosto de fumar. Olhe, pai, eu fumo e estou a contar-lhe. É a única coisa que eu faço contra as regras do pai. Mas se me der autorização, é diferente. Deixa de ser contra as regras. Saiba que comigo pode sempre contar com a verdade. Nunca hei-de fazer nada nas suas costas”. Creio que ele aceitou porque já andava preocupado com a eventualidade de começarem a surgir namorados. Gostou, portanto, de saber que tinha uma filha que não lhe mentia.

 

Dois anos mais tarde. Aconteceu-me outra coisa que era contra as regras. Contra as regras de toda a gente. Por terror, por vergonha e por causa de uma certa confusão que se instalou em mim, não lhe contei. Acontece que ele descobriu. Era, de facto, contra as regras de toda a gente, porém, ele gostou da ideia. Eram regras que nunca lhe tinham ocorrido. Gostou da ideia. E disse-mo. Fiquei incrédula, a princípio. Envergonhadissima também. Mas, depois, com o tempo, começei a andar incomparavelmente mais leve.

 

Tudo isto a propósito de contar as coisas a quem nos importa.

publicado por Cat2007 às 15:35
Tags:

Tudo isto a propósito de partilhar as" coisa"s com quem realmente importa.....até porque se tira uma ou mais lições. 
O que me fica realmente deste episódio é que vale bem mais saber respeitar os valores  alheios, quaisquer que eles sejam, que embarcar em tretas e mentiras. Medos? de quê? só se fôr o medo da vergonha na mentira
Segue para bingo Cat.....Obrigado, já não me sinto assim tão desacompanhado ..
Image
Fernando a 29 de Setembro de 2016 às 22:50

È exatamente assim, Fernando. Obrigada eu. ;)
Cat2007 a 29 de Setembro de 2016 às 23:05

"A minha frase favorita é a minha quando me sai bem"
pesquisar
 
stats
What I Am
comentários recentes
Sim, de acordo. Algumas pessoas não querem ser dif...
Muitas vezes associamos a busca da novidade à adol...
Ainda tens o prazer de sintetizar fumo pelos pulmõ...
Adoro ver-te no sofá
“Mesmo no mais alto trono do Mundo, estamos semp...
Identifico me bastante. Quando gosto de fazer algo...
Gostei, esta bem explicado.
Posts mais comentados
140 comentários
122 comentários
122 comentários
106 comentários
82 comentários
arquivos
2018:

 J F M A M J J A S O N D


2017:

 J F M A M J J A S O N D


2016:

 J F M A M J J A S O N D


2015:

 J F M A M J J A S O N D


2014:

 J F M A M J J A S O N D


2013:

 J F M A M J J A S O N D


2012:

 J F M A M J J A S O N D


2011:

 J F M A M J J A S O N D


2010:

 J F M A M J J A S O N D


2009:

 J F M A M J J A S O N D


2008:

 J F M A M J J A S O N D


2007:

 J F M A M J J A S O N D


Setembro 2016
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3

4
5
6
7
8
9





blogs SAPO