Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

CAFÉ EXPRESSO

"A minha frase favorita é a minha quando me sai bem"

CAFÉ EXPRESSO

"A minha frase favorita é a minha quando me sai bem"

O EQUÍVOCO


Cat2007

25.09.20

Filomeno Silva - "De costas voltadas" - YouTube

 

Uma vez, perguntei a uma pessoa de quem nunca me separava um instante o que sentia por mim. Disse-me: “odeio-te profundamente!”. Basicamente porque se sentia sempre disponível para mim, e por mais esta ou aquela razão da mesma índole de que já não me lembro. Fiquei um tanto desconcertada. Porque era a primeira vez que alguém me dizia tanto afeto em tais termos. A mim, que imaginava sentir-me apenas sua amiga. A questão é que a questão é sempre mais complicada do que isso. Ou seja, não é possível responder a uma paixão inteligente feita em raiva sem sentir igualmente uma paixão complexa. E, na verdade, se essa pessoa não podia dizer-me não, eu procurava-a a todo o momento, sem que existisse outra com quem quisesse estar. E, no entanto, talvez lamentavelmente, nunca fizémos amor.

 

FALTA DE "CABEDAL"


Cat2007

14.04.20

 

Não era seu hábito procurar-me para saber de mim ou, ao menos, simplesmente estar um bocadinho comigo. Sugeriu-me um encontro de amigos de longa data. Mas, na verdade, era apenas porque precisava. Mais uma vez, queria que eu, do alto de uma sabedoria por si imaginada, lhe dissesse o que desejava ouvir sobre uma nova relação amorosa. Como se as coisas que vinha contar-me pudessem ter algum grau de profundidade para serem complexas. Assim cansou-me logo que começou a ler as infinitas mensagens de telemóvel que trocou com ele. Todas sem significado. Ou seja, com o significado único de que ali havia um nada amoroso. Porém, incompreensivelmente ou não, de cada vez que lia, via-se-lhe nos olhos a esperança. Quando finalmente me foi possível falar, disse que não. “Não. Não gosta de ti”. Viu-se a agitação e talvez também uma certa raiva. “Não? Porque é que dizes isso? Tu nem sequer o conheces”. Ignorei o golpe essencialmente por pena. “Não preciso conhecer. Basta-me o teor das mensagens e as coisas que me contas. Afinal, ele nem sequer quer ir para a cama contigo. Dois meses de namoro… “. Fiz mais uma ou duas observações. A questão era demasiado simples. Como sempre, só mudavam os nomes. Dito isto até parece que falo de uma pessoa na fase da adolescência, o que não sucede.

É verdade que sempre me confundiu aquela incapacidade de detetar afetos e de não querer contornar não-afetos. Porém, agora já não. Percebo perfeitamente que tudo tem a ver com escolhas e com a falta de “cabedal” para suportar a falta que lhe faz tudo aquilo que rejeitou ao escolher como escolheu.

AMIGOS


Cat2007

17.06.19

Resultado de imagem para abraço de amizade

 

A experiência é fundamental para se perceber bem de que forma são as coisas da vida. E isto sem ser necessário experienciar tudo. O que também não seria possível. As coisas são por grupos. Por temas, melhor dizendo. A amizade, por exemplo, é reconhecidamente um tema.

Quando era pequena, e até ao fim da adolescência, pensava que todos os meus amigos eram meus amigos. Depois percebi que só alguns amigos é que eram meus amigos. Até que finalmente conclui que há amigos verdadeiros que deixam de o ser porque acaba o querer baseado na visão a dois, que cedeu. E, a final, ficam os verdadeiros amigos. Acredito que cada pessoa tem para si um destes. De outro modo, lamento muito.

 

O AMOR AO ESCORPIÃO


Cat2007

03.05.19

Resultado de imagem para ESCORPIÃO

 

As qualidades humanas constituem dados relativos, dependendo sempre do alvo, o qual é terceiro interessado (quem aprecia ou aquele não parecia). Mas, em vez de dizer qualidades, é melhor falar de características – que se transformarão em qualidades ou defeitos em função da apreciação que lhes seja feita pelos referidos terceiros interessados. Significa isto que, embora existam boas e más pessoas, assim classificadas em conformidade com os conceitos universais do bem e do mal, não será isso (a bondade ou a maldade) que releva do ponto de vista das relações que se vão estabelecendo entre os indivíduos.

 

AMIZADE


Cat2007

18.01.18

 

Resultado de imagem para cats musical 

 

As pessoas não querem a verdadeira proximidade. Querem outra coisa qualquer. Talvez fingir que não se sentem sós. Creio que não se pode criar uma proximidade real com alguém com essa facilidade toda. E muito menos com várias pessoas. Primeiro nasce o afecto. Depois cresce o afecto. Seguidamente, consolida-se o afecto. Por fim, é ocupado um lugar fundamental na vida de alguém e na nossa. Nada disto é plural ou colectivo. Quer dizer, tem que ser feito com uma pessoa de cada vez. E exige disponibilidade e dedicação. A este processo dá-se o nome de amizade.

"AMIZADES CRICUNSTANCIAIS"


Cat2007

10.05.17

 
 
 
 
Resultado de imagem para boa educação
 
 

 

É um facto que existem várias pessoas na nossa vida com quem nos damos porque temos mesmo que nos dar, sendo certo que nos damos mais com umas do que com outras. E esta reiteração da convivência gera “amizades circunstanciais”. Como é evidente, no âmbito destas “amizades”, é necessário fazer um esforço diário para se ser sempre educado e gentil. Porque a ideia é viver sempre no melhor ambiente possível. É preciso não esquecer que o que nos une não é o afeto mas a obrigação de estar ali.

 

OS VERDADEIROS AMIGOS NÃO SE ESCOLHEM


Cat2007

30.04.17

 

 Resultado de imagem para amigos

 
 

Não concordo com a ideia de que os (verdadeiros) amigos se escolhem. Antes, acredito que certas (poucas) pessoas nos aparecem na vida e que o afeto acontece e tem condições de se aprofundar. Nestas circunstâncias, a pessoa passa para dentro de nós e, em princípio, salvo grave rotura, é para a vida. E é por isso que os nossos grandes amigos não têm que ser as pessoas com as melhores qualidades. Têm que ter certas qualidades. As certas para nos conquistarem ab initio. Aquelas que se encaixam perfeitamente em determinados aspetos importantes da nossa forma de sentir e pensar. Depois podem ser vaidosos, egocêntricos e até muitas vezes frívolos. Com efeito, é certo que os nossos melhores amigos por tantas ocasiões nos contrariam, irritam, cansam ou desiludem. E é por isso que às vezes não nos apetece estar com eles. Mas isso passa. Passa sempre. Pelo menos comigo, é assim. Enfim, “para os amigos tudo, para os outros a lei”.

 

AS PESSOAS QUE "ADORAM"


Cat2007

10.02.17

Resultado de imagem para chicken tikka masala

 

Vim agora de um almoço de comida indiana. Estou um bocadinho cheia, na verdade. Comi o mesmo do costume: chicken tikka masala. Adoro. Não obstante, privei-me da sobremesa de chocolate. Que também adoro. Sim porque isto aqui não é nenhuma máquina de empacotar.

 

Pois bem, vejo-me a dizer que “adoro” (o que, no seu significado mais coloquial, quer dizer gostar muito de alguém ou de alguma coisa) e lembro-me logo daquelas pessoas que “adoram”. Já me dei conta que as pessoas do “adoro” “adoram” sobretudo mais objetos ou eventos e menos pessoas. Mas quando engraçam com alguém, nomeadamente por causa das camisas lindas ou pelo charme ou, simplesmente, porque é bem-nascido, “adoram” também.

 

Claro que percebo a mecânica desta coisa. É muito mais fácil adorar do que gostar sinceramente de alguém. Até porque adorar se pode referir a coisas ou a pessoas, como disse. O que cheira a equivalência. Assim sendo, não gosto nada que me adorem, como gostam de umas cortinas “ma-ra-vi-lho-sas!”. Sempre com ponto de exclamação.

 

A certa altura, aconteceu-me uma pessoa que me “a-do-ra-va”. Numa semana propôs-me que fossemos “irmãs”. E eu: “?????”. A proposta não deixava de ser tentadora, no entanto. Porque não tenho irmãs e gostava sinceramente de ter pelo menos uma. Assim, tocava-me num ponto fraco. Mas não cedi. Antes, bati-me pela liberdade de o tempo passar sobre os afetos das pessoas, alterando-os no sentido da respetiva profundidade. Caso pudesse suceder.

 

Creio que esta minha atitude poderia ter causado desconfiança. Se do outro lado houvesse uma consciência, teria acontecido uma imediata consciencialização de que não falávamos a mesma linguagem afetiva. Mas não. Antes pelo contrário, passei a viver acompanhada de uma irmã adotiva que me assoberbava a existência com a sua presença constante e tantas vezes inoportuna.

 

Seja como for, volvido algum tempo, ela começou a ter ciúmes cegos por causa do namorado. Pessoa bastante gostável como pessoa (mais do que ela) mas que não me interessava para tais fins.

 

Pois as pessoas do “adoro” são assim bastante desconfiadas. Esperam que toda a gente saiba “adorar” tanto como elas. E como conhecem exatamente a que nível ”adoram”, arranjam sempre argumentos para justificarem mais uma desilusão. Ainda que imaginada.

 

AMIZADE (entre mulheres heterossexuais e homens gays)


Cat2007

12.12.16

Resultado de imagem para amizade entre gays  e mulheres

 

A amizade é uma relação de solidariedade e lealdade, baseada na qualidade das afinidades encontradas e na profundidade das experiências partilhadas ao longo do tempo que fundamentam um sentimento de amor que exclui a atração física e não tem como objeto os nossos pais, irmãos ou outros familiares próximos.

 

Existe esta mulher loura de cabelos compridos, com uns quilitos a mais do que o average, cuja voz é como a de uma bonequinha de filme de terror (daquelas que ganham vida e assassinam as pessoas insidiosamente), a qual se torna irritantemente expressiva quando ela diz “olá”. Esta mulher alta costuma vestir umas camisolas sem ombros (por vezes com lantejoulas) e calças justas a definir as grossas coxas. Tanto quanto sei, ela sente-se designadamente atraída por um madeirense de olhos verdes com cara de cafajeste, que praticamente foge dela. Em sua companhia (da mulher) surge frequentemente um pequeno gay de pele muito branca, faces rosadas e de voz fina que, quando fala, parece que vai rimar a todo o momento (digo isto por causa do tom declamatório). Ela tem mais de quarenta e ele não tem trinta.

 

Ao que julgo saber, ela diverte-se com a maneira de ser dele. Um rapaz muito desempoeirado, de piada pronta, um tanto provocador e, não obstante, com a sensibilidade à flor da pele. Ele, por seu lado, nomeadamente, deslumbra-se com a experiência dela (profissional e de vida), vibra com as conversas que têm sobre os homens que agradarão certamente a ambos e também sobre aqueles em que os gostos divergem e adora trocar impressões com ela sobre roupa e make up. Creio que, neste momento, por tudo o que os une, já são confidentes um do outro no que essencialmente diz respeito aos intricados detalhes das respetivas vidas amorosas.

 

Posto tudo o que antecede, e contrariando um vasto número de casos que são evidências, quero firmemente acreditar que existem relações de amizade entre homens gays e mulheres heterossexuais.

 

AZUL - Cap LIII


Cat2007

08.10.16

Não fez menção de ir atrás da filha. Porque não valia a pena. Sabia que ela ia andar pela Avenida de Roma até se cansar. Nisto eram iguais. Clara precisava agora de se enquadrar na nova realidade que Teresa lhe apresentara. Haveria de chegar mais calma. Logo falariam um bocadinho melhor sobre tudo. Teresa estava pronta para lhe dar todas as respostas. Não obstante estes pensamentos tranquilizadores, Teresa estava em dor. Porque a sua filha estava a sofrer muitíssimo.

Teresa marcou o número de Madalena.

Teresa: Contei tudo à Clara.

Madalenas: Tudo?

Teresa: Sim. Tudo sobre nós.

Madalena: Olha, eu estou em casa. É melhor vires cá.

Teresa foi.

Madalena: Entra.

Teresa entrou. Estava trémula.

Madalena: Conta-me o que se passou. Como lhe disseste?

Teresa: Primeiro falámos sobre ela a e Joana. Questionei-a sobre o valor da relação delas. A Clara confirmou que se amavam. E eu acabei por lhe dizer que aceitava a relação.

Madalena: Muito bem. Mas tinhas que atirar a homofobia para cima dela outra vez, questionando a relação delas?

Teresa: Não foi homofobia. Foi preocupação. Queria saber se a Joana era confiável. Coisas normais de mãe.

Madalena: Uma vez que tu, com a idade da Joana, me deixaste a morrer.

Teresa: Sim. Porque eu não fui confiável. Sim.

Madalena: E nós, como lhe contaste de nós? Achas que era o momento certo?

Teresa: Não sei se era o momento certo para ela. Mas era o momento certo para mim. Porque foi ali que, de repente ganhei coragem. E não penses que o fiz porque me queria assumir perante ela para depois assumir uma relação contigo. Não. Foi uma questão só entre mim e ela.

Madalena: Mas tu estás completamente louca, Teresa. Como pudeste fazer isso assim?

Teresa: Ela tinha o direito de saber, Madalena. De saber quem é a mãe. Mesmo que a mãe não tenha ninguém.

Era tão raro ver Teresa assim. Confusa. Inconsistente. Tão transparente. Madalena observou-a através dos seus gestos e sons. “Como está fraca.”.

Madalena: Então tu não lhe contaste por nós. Foi por ti. Se foi por ti, eu pergunto que direito tinha ela de saber aqui e agora. Porque não esperar que a crise que se abriu entre ti e ela por causa da Joana fosse ultrapassada? Tu e a porcaria das tuas verdades. Que só são verdades quando tu resolves deitá-las cá para fora. Doa a quem doer. Que desastrada, Teresa.

Madalena sentia-se um pouco deprimida pela evidente pobreza da face do espírito que Teresa lhe mostrava com tão baixo pudor. Por consequência, uma ponta de aversão estava a azedar-lhe a boca. Era por causa deste azedume que Madalena não se sentia capaz de contemporizar com Teresa. Ao contrário, no momento, Teresa inspirava-lhe raiva.

Teresa: Eu sei dos segredos dela. Agora ela já sabe dos meus.

Teresa argumentava, evidenciando-se pela negativa.

Madalena: Que infantilidade. Tu és a mãe. Tu podias saber dos segredos dela e guardares os teus para lhe revelar no momento certo. Não compreendo porque razão contigo as coisas têm de ser assim sempre tão dramáticas. Porque tens sempre graves revelações a fazer às pessoas que amas? Tudo contigo é demasiado pesado. Porque tinhas que contar à miúda no momento em que ela está a resolver a vida dela contigo? Isto não se percebe. O melhor, percebe-se. As coisas passam-se dessa maneira porque a tua vida interior é uma confusão monumental. Queres sempre dizer a verdade. Mas vives da mentira. Descobres alguma coisa nova e já queres mudar tudo. Para de controlar a vida de uma vez, mulher.

Teresa: Contámos uma à outra realidades semelhantes.

Teresa mostrava-se ridiculamente impassível.

Madalena: Deves estar a brincar. Tu contaste-lhe uma história de vida. Ela contou-te um episódio da dela.

Teresa: Posso perceber onde queres chegar. Acontece que eu não poderia avançar mais sem lhe contar. Especialmente agora que te reencontrei. Se tu não tivesses reaparecido talvez me calasse. Porque muito provavelmente não haveria nada para contar.

Madalena: O que me faz confusão aqui é o timing que tu escolheste. Não podia ser pior. É por isso que eu digo que te és egoísta.

Teresa: Já te disse que foi honestidade.

Madalena: E eu já te disse que desse tipo de honestidade ninguém precisa. Estás tão pouco convicta da tua vida que precisaste da aprovação da tua filha. E porque não? Ela também é lésbica. Mas afinal quem tem aqui responsabilidades? Tu ou ela? É possível que tenhas reconhecido que a miúda é mais bem resolvida do que tu e que por isso sentiste tu necessidade da proteção dela?

Teresa: Tu estás a delirar, Madalena.

Madalena: Antes estivesse, Teresa. O pior é que, parece-me, há mais do que isso. Porque nada está resolvido em ti. Tu és a ambivalência viva. Então o que tu fizeste foi também uma jogada desesperada. Foi o teu último trunfo para a afastares da Joana. Atiraste-lhe com toda a culpa para cima. Afinal a Clara estragou a vida toda da mãe. Tu não foste feliz por causa dela. Durante toda a vida dela. Afinal, és lésbica. Ela também é. Agora as coisas devem estar muito alteradas na cabeça dela. O que antes terá visto como uma coisa extraordinária que lhe aconteceu na vida, a Joana, deve parecer-lhe agora uma maldição. Com a tua revelação fizeste com que a miúda se sentisse infeliz por amar. Como se os sentimentos dela fossem doentios. Acabaste com a estória delas, Teresa. Conseguiste. E para quê? Acabará com a Joana. Mas haverão outras.

Teresa: Não. Isso não. Nunca! Eu não fiz isso à minha filha. Tu estás a ser extraordinariamente rebuscada, Madalena. O que é isso? Maldade? A Clara está naturalmente chocada mas via superar. Eu tenho a noção de que fiz uma manobra muito arriscada. Mas não conheço um modo diferente de jogar senão no tudo ou nada. E é só nestas ocasiões que eu jogo. Quando o que está em causa é mesmo o tudo ou nada. O que fiz foi para salvar a minha filha e a mim. A nossa vida está agora nas mãos dela. A Clara é muito melhor do que tu imaginas. Muito melhor.

Madalena: Deus queira, Teresa. Deus queira. Porque é muito perigoso confundir a vida com um jogo.

Teresa: Não me tomes tão à letra Madalena.

Madalena: Posto isto tudo o que dissemos aqui, sabes o que me parece? Parece-me que se eu tivesse um filho não gostava que fosse gay. Da mesma forma que tu não gostas que a tua filha o seja. São as tais dificuldades de que tanto gostas de falar que me fazem pensar assim. Ninguém quer entraves na vida dos filhos. Por outro lado, recordo quando tinha vinte anos. O que pensaria eu se o meu pai ou a minha mãe me viesse informar que era gay. O que faria? O que sentiria? Coisas más. Não sei bem explica-las. Sei que não gostaria. Talvez sentisse que as minhas referências se diluíam. É complicado refazer a imagem de uma mãe na nossa cabeça. Acredito que se perde o pé numa situação destas. Portanto, a tua filha está neste momento a atravessar uma crise tremenda.

Teresa: Pois.

Madalena: Queres um chá?

Teresa: Aceito. Obrigada.

Madalena: Tenho sentido muito a tua falta.

stats

What I Am

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.